A deputada federal Raquel Muniz defende a PPP como alternativa para melhoria das BRs do país. Recentemente, o assunto ganhou espaço com a luta da deputada pela duplicação da BR-251, que poderia acontecer a partir dessa modalidade. Enquanto a duplicação não vem, o DNIT viabiliza a recuperação de trecho entre Montes Claros e Grão Mogol, também a partir de uma demanda da parlamentar, que em 2015 criou e preside a Frente Parlamentar pela BR-251. Nesta terça-feira, mais uma BR ganhou a atenção dos governantes. Desta vez, a BR-135, que foi tema de audiência promovida pela Amams em parceria com o governo do estado.

A concessão pretendida demanda para a iniciativa privada a responsabilidade de cuidar do trecho entre Montes Claros e o Trevão da BR-040. O valor do pedágio, estipulado em R$6,40 foi considerado alto, mas Maurício Muniz, representante do BDMG, aponta: “O valor não é alto se considerado o investimento pesado que é a duplicação de 136 km, vários outros kms de faixas adicionais, entre outras coisas. O investimento é feito nos 5 primeiros anos e o calculo é preciso”, diz, referindo-se ao índice do IPCA, que pautará o reajuste da tarifa. Entre Montes Claros e o Trevão da BR-040, serão 6 praças de cobrança. “Se formos comparar com outras concessões no Brasil, é uma tarifa mais baixa do que as outras do governo federal e do governo de SP. E o serviço muito melhor, inclusive”, complementa Maurício. A preocupação dos participantes focou especialmente os produtores rurais da região do Pentáurea, que sobrevivem da comercialização dos produtos em Montes Claros e seriam penalizados com a cobrança. Mas para eles, a notícia é boa: a primeira praça de pedágio começa mais adiante.