Na primeira reunião após a volta do recesso parlamentar, vereadores de Montes Claros aprovaram, por unanimidade, o requerimento convocando o presidente da MCTrans, José Wilson Guimarães (Brizola), para uma sabatina. O gestor do órgão que controla o trânsito na cidade deverá comparecer ao Plenário da Casa na próxima segunda-feira (5), às 8h.

A iniciativa é da vereadora Maria Helena Lopes (PPL) que pede esclarecimentos do presidente do órgão com relação a uma série de denúncias que envolvem o nome de Brizola e da autarquia.

José Wilson é o terceiro secretário a ser sabatinado pela Câmara nesta gestão. A Casa Legislativa já cobrou esclarecimentos do secretário de Esportes, Igor Dias, e da secretária de Saúde, Dulce Pimenta.

De acordo com Maria Helena, as reclamações vão desde a dificuldade em falar com o responsável pelo órgão a irregularidades atribuídas a ele.

Em várias reuniões, os vereadores demonstraram insatisfações, apresentadas inclusive pela população, com o trabalho do presidente da MCTrans nas questões e problemas relacionados ao trânsito da cidade.

“A sabatina é uma chance para o presidente se explicar para a Casa e para a comunidade. Também é uma oportunidade de os vereadores pontuarem os questionamentos envolvendo o trabalho do José Wilson e da MCTrans”, pontua Maria Helena.
 
DENÚNCIAS
Como mostrado em edições passadas de O NORTE, diversas falhas da MCTrans e do presidente da mesma foram denunciadas por moradores e reafirmadas por vereadores, comprovadas com testemunhos, fotos e vídeos.

Além da reclamação do excesso de placas proibindo os motoristas de estacionarem em diversos pontos da cidade, José Wilson foi flagrado utilizando veículos da MCTrans, bem como funcionários da empresa para fazer manutenção no telhado da própria residência. Na época, o presidente assumiu o erro e disse que pagaria a prefeitura pelo ônus causado.

A população também não ficou nada satisfeita com a implantação do estacionamento rotativo na avenida Deputado Esteves Rodrigues. A via tem 4,5 quilômetros de extensão, sendo uma das principais da cidade. Na mesma avenida, próximo à escola Dom João, o órgão retirou o sinal para pedestres que proporcionava segurança para a travessia dos alunos, principalmente em horário com grande fluxo de veículos.

O Corredor Cultural também é local de parada proibida – quem deseja visitar o museu tem que parar na rua lateral e desembolsar um bilhete da Área Azul.

No ano passado, a Câmara denunciou o presidente por transferir multas – segundo a apuração da Casa, uma infração destinada a um servidor do alto escalão da prefeitura foi transferida para um morador de Brasília de Minas. Outros casos como este foram apresentados pelos motoristas ao longo do ano.

Em abril deste ano, um caminhão da MCTrans foi flagrado descartando lixo irregular em um lote vago na comunidade de Antônio Olinto.

Também entra para a lista de insatisfações o setor de gratuidade, criticado por diversas vezes pelos usuários. Várias mães de deficientes acusaram a MCTrans de negar o benefício aos filhos, descumprindo a Lei Municipal 5.146.

Em todas as denúncias apresentadas pelos vereadores e pela população, José Wilson preferiu não se pronunciar. A reportagem entrou em contato com o presidente sobre a sabatina que será realizada pela Câmara e ele disse estar tranquilo.

“Esperei muito por esse momento para poder explicar os questionamentos e apresentar a relevância do trabalho da MCTrans para a população de Montes Claros”, pontuou o presidente.