Fundo e sem fundo

Preto no Branco / 07/11/2020 - 00h59

Sempre tive opinião contrária à falta de critérios e à liberdade que os parlamentares e presidentes das agremiações têm na distribuição do Fundo Partidário. Tudo é feito a bel prazer, com o único objetivo de atender os interesses de quem indica. Em Montes Claros, por exemplo, chama a atenção a distribuição de recursos que teria sido atribuída a deputado do Podemos. Enquanto teria destinado recursos da ordem de R$ 105 mil para a candidata a vereadora Juliana Câmara, não teria sido repassado sequer um real para o candidato a prefeito do partido, Silvano Tolentino (Podemos).

Campanha silenciosa
Desde o início do processo eleitoral, alertamos os candidatos na proporcional, em Montes Claros, que teríamos uma campanha atípica e silenciosa. Nem os mais otimistas têm a garantia de vitória. Na prática, as manifestações públicas, principalmente nas redes sociais, só estão acontecendo por parte dos candidatos ou pessoas envolvidas nas campanhas. A fotografia do quadro político mostra que teremos surpresas, com vereadores considerados eleitos ficando de fora.
 
Vai faltar sobra
Como forma de incentivar as candidaturas na disputa proporcional, partidos políticos estão garantindo que a agremiação conseguirá eleger de dois a três vereadores em Montes Claros. Acontece que as contas não fecham. Que existe a possibilidade de uma das agremiações eleger três candidatos, creio que sim. Entretanto, se acontecer, será na distribuição da sobra, que pelo desenho não ofertará mais de duas vagas. A matemática é simples: nós temos o Cidadania, MDB, PSL, PSD e PT que aparentemente têm chance de eleger dois vereadores direto, o que somaria dez. A outra previsão é que entre 10 a 13 partidos consigam eleger um vereador, o que atingiria um total mínimo de preenchimento de 20 vagas. Como este número pode chegar até 13, então fica difícil antecipar a eleição de vereadores na sobra.
 
Eleição Sindical
Nesta terça-feira (10), acontece a eleição para diretoria do Sindicato Rural de Montes Claros, gestão 2020/23, com chapa única encabeçada pelo atual presidente José Avelino Pereira Neto. A votação acontece das 8h às 11h e das 13h às 17h, na sede da entidade no Parque de Exposição João Alencar Athayde.
 
Energia Renovável
A boa notícia da semana é que a Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou, na quinta-feira, parecer favorável ao projeto de Lei que concede isenção de ICMS a usuários de energia de fontes renováveis. O projeto é de autoria do deputado Gil Pereira. Vale lembrar que a proposta também isenta equipamentos, peças e componentes. O Norte de Minas vem se transformando no maior produtor de energia fotovoltaica do país.

Publicidade
Publicidade
Comentários