D’elas e a solidariedade na pandemia

Gente e Ideias / 13/04/2021 - 00h10

A solidariedade foi o destaque do programa D’elas, apresentado pela médica e reitora da Funorte, Raquel Muniz, no sábado (10).

Durante o programa, Raquel conversou com representantes de vários projetos que fazem a diferença na cidade como “Mãos Acolhedoras”, “Doadoria”, “Ministério de Missão Hospitalar” e “Casa Eliana”, que nesta pandemia têm levado alimentos, cestas básicas, kits de higiene, ajudando a amenizar a dor da perda e ainda aliviar o período de distanciamentos social. 

“Neste tempo de pandemia, de distanciamento social, a solidariedade, em suas várias formas e feita a muitas mãos, tem sido fundamental no apoio aos mais vulneráveis, aos mais fragilizados na nossa sociedade. Para nós, do D’ elas, é muito especial mostrar esse trabalho”, frisa Raquel.

Na Casa Eliana, localizada na rua Sebastião Dias Soares, 33, o serviço não parou na pandemia e tem recebido pacientes oncológicos e seus acompanhantes que vêm de municípios vizinhos para realizarem tratamento na cidade. 

“Quero agradecer a oportunidade de divulgar a casa, que vive cem por cento de doações e dizer que aqueles que desejam fazer uma visita e nos ajudar, podem entrar em contato conosco através das redes sociais no Instagram @casa_eliana”, diz Isabela Ohara, assistente social.

O Ministério Missão Hospitalar da Ibev (Igreja Batista Esperança e Vida), além de distribuir cestas básicas, kits de higiene, entre outros, tem ido às portas dos hospitais e mantendo o distanciamento, tem também visitado idosos, sem abraços ou mãos dadas, mas unidos na fé para clamar a Deus por saúde e cura dos doentes.

“O mundo vive uma crise não só pandêmica, mas sobretudo espiritual. E é na fé em Jesus Cristo que recorremos às orações para superar as dificuldades impostas pelos últimos tempos, pedindo ao Senhor que leve cura e esperança aos pacientes, familiares e profissionais de saúde”, diz Vicky Louise, voluntária.

Pelo “Mãos Acolhedoras”, a entrevistada foi Cida Mota, que nos contou que o projeto celebra oito anos. Eles preparam diariamente uma refeição muito saborosa para pessoas que vêm de diversas cidades do Norte Minas e outras localidades para o tratamento oncológico em Montes Claros.

“O projeto funciona na rua Coronel José Alves, na Igreja Batista Manaim. Lá tem uma cozinha equipada e um local onde as pessoas almoçam e recebem oração”, conta Cida.

A advogada e chef de cozinha Dilma Pimentel representou a Doadoria e falou sobre a sopa solidária, que oferecem todos os domingos para as pessoas em situação de rua. 

“Não paramos o trabalho durante a pandemia e usamos as medidas de proteção recomendadas pelo Ministério da Saúde, como luvas, máscaras e álcool em gel, que também é oferecido para os moradores. Além do alimento, o mais importante, é o acolhimento. Eles gostam de conversar e desabafar. A doação de tempo e afeto tem um valor muito grande”, diz Dilma.

 

Publicidade
Publicidade
Comentários