Terceira via

Editorial / 28/09/2021 - 00h01

Uma luz se acende no fim do túnel para quem sabe selar a paz entre os poderes no Brasil, que têm gastado tempo e energia em brigas que estão longe de trazer qualquer benefício para a população. Um dos temas que mais tem gerado atrito é o voto impresso auditável.

Ao que parece, uma parceria entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Universidade de São Paulo pode trazer a solução, ao garantir aos eleitores a possibilidade de conferir que seu voto existiu e foi computado.

Pode não ser o ideal para quem deseja o voto impresso e auditável, mas é uma terceira via. Através de um código, o eleitor poderá acessar, ao final da votação, o site do TSE e comprovar que está incluído na totalização. No entanto, não será possível verificar para quem foi dado o voto.

Essa é uma forma de proteção ao eleitor, para evitar que o Brasil retroceda e volte ao tempo do coronelismo e dos currais eleitorais, quando o cidadão não tinha liberdade de escolher seus representantes, já que tinham que votar em quem o “chefe” mandasse.

Além de criar esse sistema de conferência, a cooperação técnica entre TSE e USP pode trazer mais transparência ao processo eleitoral, ao prever a possibilidade da adoção do “black chain”, sistema utilizado pelas criptomoedas e que permitirá que agentes externos auditem as eleições. O sistema poderá trazer ainda mais segurança para as eleições, fortalecendo a democracia, que ainda engatinha no Brasil. 

É certo que o tema ainda vai ser gerador de muitos debates, mas a adoção dos dois processos a serem criados pelos técnicos da USP pode ser a bandeira branca que vai selar paz no Brasil, permitindo que setores como o econômico e o social possam receber a atenção que de fato merecem e precisam ter nesse momento de tamanha fragilidade pelo qual passa o país. 

Portanto, espera-se que, em nome da democracia e do cidadão, o bom senso impere e que as eleições sejam mais do que transparentes e seguras, mas cumpram seu objetivo, que é levar o povo a escolher seus representantes.

Publicidade
Publicidade
Comentários