Sonho no chão

Editorial / 09/06/2017 - 00h01

O título acima não anuncia nenhuma desilusão. Longe disso. Refere-se à realização da grande aspiração de milhares de nós: o recapeamento da BR-251, também lembrada como “rodovia da morte” exatamente pela precariedade absurda de suas pistas, cheias de buracos.

Os serviços começaram esta semana e devem se estender por pelo menos um ano e meio, até que todo o trecho que liga Montes Claros a Grão Mogol esteja recuperado. São 88 quilômetros que serão revitalizados ao custo de R$ 38 milhões liberados pelo governo federal.

De fato um sonho que se torna realidade. Por isso, os milhares de nós, já mencionados em linhas anteriores, comemoram. A deputada Raquel Muniz em especial. A recuperação da rodovia que corta o norte de Minas se tornou uma de suas principais pautas no Congresso Nacional. Raquel, inclusive, criou a “Frente Parlamentar 251”, que ela preside, para fortalecer as demandas pela recuperação da rodovia. Mas a deputada quer mais - a realização de um sonho ainda maior em futuro próximo (leia na página 03). Para ela, o atual está sendo realizado em parte, porque a luta continua e se volta, agora, com vigores ainda mais determinantes para a duplicação da BR-251. Obra de um bilhão de reais e que seria concluída em quatro anos, com aportes de 250 milhões por ano.

Uma fortuna, sem dúvida, mas que não esmorece a deputada. Ela acredita que a sua voz, que em verdade é a dos milhares de nós, de novo será ouvida nos gabinetes de Brasília, de onde os recursos para a duplicação haverão de sair.

É mais um sonho que um dia também virá ao chão.

 

Publicidade
Publicidade
Comentários