A partir de segunda-feira, todas as 28 salas de vacinação de Montes Claros estarão abertas para imunizar o público-alvo da primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. São 51.274 pessoas foco dessa primeira fase, que se estende de 12 de abril a 10 de maio. A meta é vacinar pelo menos 90% desse grupo.

Precisam tomar a vacina contra a Influenza, neste primeiro momento, crianças com idade entre seis meses e 6 anos incompletos, gestantes, puérperas (mães recentes) e trabalhadores da saúde. A campanha acontece paralelamente à vacinação contra a Covid-19.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, quem pertence também ao grupo prioritário da imunização contra o coronavírus deve dar um intervalo de 14 dias entre a aplicação das doses.

Quem tem direito a ser protegido contra a gripe não vê a hora de ser vacinado, porque é um risco a menos para a saúde em tempos de pandemia. “Se a vacina está disponível para mim, vou me vacinar. É proteção para mim, meu esposo e meu filho que acaba de completar um mês de vida”, diz Talita Nunes, mãe recente de Dante, que se enquadra na situação de puérpera e aguardava apenas a publicação da lista com os locais de vacinação.

A Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros recebeu 36.400 doses, que foram distribuídas nesta sexta-feira aos 54 municípios que compõem a macrorregião. 

“O município tem autonomia para organizar as estratégias, mas há uma orientação do Ministério da Saúde para que convoque um grupo de cada vez para evitar aglomeração”, explica Agna Menezes, coordenadora de Vigilância em Saúde da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros.

Ela revela que em 2020, devido à pandemia da Covid, houve uma queda na procura pelos outros imunobiológicos, principalmente por crianças de até 5 anos de idade, e o quadro se agravou ainda mais. Já com a vacina da Influenza, em 2020 houve um aumento da procura.
 
SOBRECARGA
“Agora, em 2021, o objetivo da campanha é também reduzir essas internações por influenza, complicações pelo quadro da doença e a sobrecarga do serviço de saúde, já que os sintomas podem ser confundidos com os da Covid. A influenza também mata. Nós tivemos óbitos por influenza em 2020 e a vacina previne os casos graves da doença”, alerta Agna.

A previsão, de acordo com a coordenadora, é que haja uma adesão maciça dos profissionais de saúde, que estão nessa primeira fase. Já com os outros públicos, é possível que haja mais dificuldade. Para evitar o temor de contaminação, a orientação é que os municípios se organizem na sensibilização da necessidade de vacinação.

“A gente conta com os municípios nessa organização para não expor o usuário ao risco de contaminação. A orientação é para que seja uma sala separada das outras vacinações de rotina para evitar tumulto, aglomeração”, pontuou.
 
ALÍVIO
O anúncio de início da campanha trouxe alívio para a gestante Bruna Fialho, que acaba de entrar no oitavo mês de gestação. “Medo a gente tem sim, mas existe a necessidade de proteção e temos que buscá-la. Se a vacina está disponível para mim e para a minha filha, nós vamos nos vacinar. É até uma maneira de ajudar na identificação, caso venha a ter uma gripe”, disse Bruna, mãe de uma menina de 3 anos.