A semana começou com mais pessoas nas ruas e algumas lojas parcialmente abertas em Montes Claros. O cenário estava diferente porque o decreto municipal que estabelecia regras mais rigorosas que as da “Onda Roxa” venceu neste domingo e a prefeitura não publicou novo documento. Dessa forma, no entendimento da Câmara de Dirigente Lojistas (CDL) e outros setores, o que está valendo são as normas do programa estadual.

Mas a incerteza do que realmente prevalece e o medo da fiscalização fez muitos comerciantes manterem as portas fechadas. Pela “Onda Roxa”, é permitida a venda de bebidas alcoólicas – que estava proibida na cidade desde o início de março – e o funcionamento de drive-thru.

“Se o prefeito não mandasse, em questão de urgência, um novo decreto, automaticamente a gente entraria na Onda Roxa, conforme entendimento do nosso jurídico. O decreto venceu no domingo e no sábado já tínhamos uma pauta pedindo ao município a abertura do comércio conforme a deliberação 136 da Onda Roxa, que permite a venda no balcão”, explicou Ernandes Ferreira, presidente da CDL.

Como não houve manifestação contrária do município, a entidade classista elaborou um documento com orientações a serem seguidas pelos comerciantes, reforçando a necessidade de adoção, na íntegra, dos protocolos sanitários para que não haja um retrocesso.

“Voltamos às atividades e tem uma boa parte de lojistas, quase 50%, trabalhando dessa forma. Mas alguns ainda estão inseguros com relação à fiscalização e qualquer coisa contrária à veracidade das informações. As lojas que abriram estão trabalhando com anteparo e os restaurantes entregando marmitex no balcão. É um ponto positivo, ajuda o comércio neste momento que passamos por uma grave crise sanitária e uma esperança até que as coisas melhorem e a gente conquiste a reabertura”, pontua Ernandes.

Ele acrescenta que o momento é difícil para quem vive do comércio, mas não é diferente para a área de saúde. “Há muitos comércios fechando, muitas demissões, mas seguimos firme nesta representatividade, construindo alternativas e ouvindo sugestões de lojistas para apresentar aos poderes constituídos”.
 
DEMANDA MAIOR
As lojas que vendem bebidas alcoólicas também retomaram o atendimento e receberam vários pedidos nesta segunda-feira. No entanto, os empresários convivem com o temor de que uma nova medida restritiva saia ainda hoje.

“Investimos no delivery desde o ano passado. Estávamos com cerca de 15 entregadores. Mas, com tanta incerteza e a proibição, ficamos de mãos atadas. Tivemos que demitir funcionários. Muitos deles, pais de família que tinham uma boa renda, mas não temos como arcar com as despesas. Vendemos bem hoje (ontem), mas todos nós estamos inseguros e com medo de um novo decreto. Se sair, vou ter que fechar e me adaptar a um novo ramo”, lamentou D.F., que tem o produto como carro-chefe da loja. O consumo dentro do estabelecimento continua proibido.
 
SHOPPING
Os shoppings de Montes Claros permanecem com as portas fechadas, mas retornam com a venda em sistema drive-thru e seguem ainda com as vendas por meio de delivery. 

O procurador do Município, Otávio Rocha, não atendeu às ligações para informar sobre a possibilidade de um novo decreto.