Em falta em várias cidades mineiras para aplicação da segunda dose, a vacina AstraZeneca também chega ao fim em Montes Claros. O município anunciou ontem, pelas redes sociais, que utilizou todo o estoque da segunda dose do imunizante e que aguarda a chegada de nova remessa para dar continuidade ao processo de vacinação.

A situação é semelhante em várias cidades mineiras. Em alguns casos, moradores aguardam há mais de uma semana para completar o ciclo vacinal.

O desabastecimento é reflexo do atraso de insumos e descumprimento do plano nacional, alega o Ministério da Saúde.

A falha também ocorre Brasil afora. Nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, o atraso obrigou as prefeituras a administrar o reforço com a Pfizer. Em Minas, no entanto, não há previsão para aplicação de imunizantes de laboratórios distintos para a segunda dose. Dessa forma, as pessoas terão que aguardar a normalização.

Diante da escassez, quem já deveria ter tomado a segunda dose tem que esperar ainda mais.
 
ALERTA
A situação em Minas pode piorar, caso a distribuição não seja restabelecida. Alguns municípios informaram que precisam de novas remessas.

A Prefeitura de Belo Horizonte disse que não há atraso da segunda dose da AstraZeneca para os grupos já convocados, mas que aguarda novas entregas para concluir a vacinação de outros públicos.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, caso ocorra alguma falta, “será aplicada a vacina que for destinada pelo Ministério da Saúde, observadas as orientações técnicas vigentes”.
 
INSUMOS
Desde 27 de agosto não há distribuição da AstraZeneca por parte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pela produção do imunizante no Brasil. O intervalo entre as entregas, segundo a instituição, ocorreu porque os lotes de agosto do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), importado para a fabricação do imunizante, só chegaram nos dias 25 e 30 do mês passado.

As entregas das doses, segundo a Fiocruz, foram retomadas nesta terça-feira. Foram entregues 1,7 milhão de doses da AstraZeneca ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). 

Com este lote, a Fiocruz contabiliza a entrega de 93,6 milhões de doses ao PNI. É previsto para esta semana a entrega de uma nova remessa de imunizantes. Assim, o número de doses produzidas no Brasil deve ultrapassar a marca de 100 milhões.

*Com Agência Brasil