Prestes a completar um ano, em março, do desabamento da ponte que liga o bairro Sapucaia a outros bairros da cidade, a situação permanece a mesma e continua sendo alvo de questionamentos e reclamações de moradores, que se sentem abandonados pela Prefeitura de Montes Claros.

Por diversas vezes, O NORTE mostrou a situação e, em todas as ocasiões, a prefeitura estipulou um prazo para realizar o serviço. Mas, até agora, nenhum deles foi cumprido. 

O então secretário de Estrutura e Planejamento Urbano, Guilherme Guimarães, atual vice-prefeito, afirmou à reportagem, no ano passado, que a intervenção na estrutura dependia apenas de uma licitação e que o problema seria solucionado imediatamente. 

“Não há nenhum sinal de obra, não tem ninguém fazendo nada aqui”, afirma o empresário Émerson Acipreste, um dos mais antigos moradores do local. Ele diz que, por diversas vezes, procurou apoio da mídia em busca de uma solução.

A moradora Juliana Guedes aponta inúmeras situações de dificuldade enfrentadas por quem vive no local.

“Não temos comércio no bairro. A situação é muito complicada porque, para fazer uma feira ou comprar algum medicamento, precisamos ir ao Centro, dando a volta pelo bairro Ibituruna, que também não é um bairro de comércio. Se houver uma emergência, o socorro não consegue chegar a tempo aqui. Dependemos dessa ponte para ter acesso à cidade. Estamos ilhados”, reclama Juliana.
 
SEM ÔNIBUS
Funcionária de um laboratório no Centro da cidade, ela explica que, para chegar ao serviço, tem que sair de casa às 6h e que o custo do deslocamento é alto.

“Eu gasto R$ 400 só com aplicativo para chegar ao meu serviço. Poderia ir de ônibus e gastaria menos da metade desse valor, mas eles não vêm até aqui por causa dessa interdição”, diz a moradora.

Segundo Juliana, os ônibus costumam rodar na região apenas uma vez por semana, dando a volta pelo Jardim Liberdade. “Mas já disseram que o combustível fica caro e por isso eles não podem fazer essa rota. Nem a pé conseguimos transitar. Assim como eu, várias pessoas que moram aqui não têm carro”, afirma Juliana.

Ela conta que já procurou a prefeitura e recebeu como resposta que a empresa ganhadora da licitação não pode cumprir o compromisso e teriam que abrir um novo processo. Mas o ano chegou ao fim sem uma solução.

A Ascom da Prefeitura de Montes Claros chegou a divulgar uma informação de que o atraso na obra teria acontecido porque assim que as escavações começaram foi constatado que havia uma adutora da Copasa no local que estaria impedindo a execução da obra.

Procurada, a Copasa informou, por meio de nota, “que as obras de recuperação da adutora existente na ponte no bairro Sapucaia, em Montes Claros, foi concluída no mês de dezembro de 2020 e, na ocasião, após a execução dos serviços, a Prefeitura foi informada e liberada para dar continuidade às suas obras”. 

Os dois moradores citaram que “o vereador Sóter Magno, apesar de morar no bairro, não intercedeu em nenhum momento para resolver a situação e outros problemas que acontecem no bairro”.

A reportagem entrou em contato com o vereador mas, até o fechamento da edição, ele não se posicionou. Na prefeitura, ninguém atendeu às ligações nos três telefones informados para a Secretaria de Infraestrutura e Planejamento Urbano.