Há noves meses, nenhum montes-clarense consegue ver, e muito menos desfrutar, do espaço que era considerado um dos principais cartões-postais da cidade. Cercada por tapumes, a praça Doutor Chaves, mais conhecida como praça da Matriz, está à espera da tão prometida reforma pela prefeitura.

O espaço tombado pelo Patrimônio Histórico, por ser o berço do primeiro núcleo urbano do município, deveria ter ficado pronto quatro meses após o fechamento. Mas não há qualquer sinal de obras, o que tem revoltado a população.

Os painéis que cercam a praça impedem os moradores de acessar seguramente a área verde mais importante do centro da cidade e que sofre com o abandono há quatro anos.

Primeiro, foi ponto de moradores de rua, que levaram para a área colchões, móveis velhos, material reciclável, dificultando o uso da praça como área de lazer.

Com o argumento de que a obra seria realizada, essas pessoas foram retiradas do local. Mas o que se vê é o mato tomando conta.

Além disso, cria uma barreira ao conjunto urbanístico da praça da Matriz, à Igreja Nossa Senhora da Conceição e São José, ao Solar dos Oliveira e à edificação mais antiga, o Palácio Episcopal.
 
COMÉRCIO
A “Matriz das Invenções”, nome que receberam os tapumes com poemas e pinturas de artistas locais, prejudicou ainda dezenas de lojistas do entorno da praça.

“A praça da Matriz, para nós, está como a praça da Liberdade para Belo Horizonte. Ela ficou fechada um tempo e todo mundo perdeu, saiu do radar. Então, quanto mais rápida for a reaberta, melhor para todos”, afirma o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Montes Claros, Ernandes Ferreira.

Em dois anos de trabalho em uma lanchonete que fica ao lado da praça, Laurenice e Maria de Lourdes afirmam que nunca viram um momento ruim como agora. “Senti que, com o fechamento da praça, o movimento na lanchonete diminuiu demais”, disse Laurenice.
 
FALTA DO VERDE
A enfermeira Cristiane Brant sente falta do verde da praça. “Mesmo gostando dos painéis, que são muito criativos, eu prefiro o verde da praça”. Para ela, o início da obra está muito demorado. “O que é lamentável”, avalia.

Mesmo sentimento de Priscila Colares, de 27 anos, atendente de telemarketing que passa no local todos os dias. “A intervenção é bacana, as pinturas são lindas, mas muito tempo se passou, já poderia ter sido entregue”.

Em julho de 2020, a Prefeitura de Montes Claros chegou a anunciar que a reforma, orçada em R$ 520 mil, “iria começar”. O que não aconteceu.
 
DUAS ETAPAS
O secretário de Infraestrutura e Planejamento Urbano, Guilherme Guimarães (PSL), informou a O NORTE que a prefeitura elaborou o projeto de revitalização da praça da Matriz em duas etapas. A primeira compreende a recuperação e reforma propriamente ditas, com canteiros, paisagismo, piso intertravado das passarelas internas, recuperação da calçada externa da praça, reforma dos bancos, sistema de irrigação e revitalização do coreto.

O valor desta primeira etapa será de R$ 547.458,49, dos quais R$ 500 mil viabilizados por emenda do deputado Carlos Pimenta (PDT). O restante será a contrapartida da Prefeitura de Montes Claros. No entanto, Guilherme Guimarães não informou a data para início das obras.

“A segunda etapa compreende a revitalização da pavimentação lindeira, com a instalação de piso permeável, no valor de R$ 500 mil, também emenda do deputado”, afirma o secretário. Ele confirma, no entanto, que “esta parte ainda não está liberada para licitação”.