“Doar sangue para mim é salvar uma vida. Estou muito feliz. Estar aqui doando pela primeira vez está sendo muito gratificante, principalmente em saber que estou ajudando alguém”. Esse é o depoimento da jovem Evelyn Vitória, de 16 anos. Ela estreou no ato solidário na semana em que se celebra o Dia Nacional do Doador de Sangue, comemorado nesta quinta-feira (25).

Para agradecer àqueles que não deixam de colaborar com o próximo doando sangue, o Hemocentro Regional de Montes Claros preparou uma semana de comemorações. Desde a última segunda-feira (22) todos os candidatos são recepcionados com um lanche especial, bombons e camiseta do doador.

Toda a programação segue até 3 de dezembro. Hoje, haverá apresentações artísticas na recepção aos doadores. 

De acordo com o médico e coordenador do Hemocentro Regional de Montes Claros, José Geraldo Maia, o ato de doar sangue é muito valoroso e extremamente necessário para manter os estoques e o atendimento às unidades de saúde. 

“Doar sangue é um ato de amor diferente e invisível, porque quem doa não sabe quem está sendo ajudado. Amar uma pessoa que você vê e conhece é muito fácil”, afirma José Geraldo.

Segundo ele, cerca de 60% das doações ficam incógnitas para as pessoas que estão com a vida em risco. “Reforçamos para a necessidade de as pessoas virem até o hemocentro neste final de ano. Cada doador pode ajudar até quatro pessoas que não conhece”, destaca.
 
BAIXA NO ESTOQUE
Durante a pandemia, houve uma redução no número de doações e, em vários momentos, os hemocentros de Minas Gerais realizaram apelos para que as pessoas voltassem a participar.

A baixa ocorreu em todo o Estado. “Setembro, outubro e novembro tivemos muitos feriados emendados e isso acabou impactando nas coletas de sangue. Além disso, com o arrefecimento da pandemia, tem acontecido um aumento na demanda por transfusão com a realização de mais cirurgias eletivas, sem contar os acidentes”, explica José Geraldo.

“Temos um acréscimo no consumo entre 8% e 14%, dependendo da região. Em Montes Claros tivemos aumento de 8% no consumo de sangue, enquanto a captação caiu 12%”, informa o coordenador do Hemocentro Regional. Essa diferença cria um déficit nos bancos de sangue que pode fazer a diferença na hora de um atendimento hospitalar.

Apesar da queda nos estoques, José Geraldo garante que a unidade tem atendido a população priorizando os casos mais urgentes.
 
TIPOS 
Há grupos sanguíneos que ficam muito pressionados nesses períodos de escassez de doadores, porque são aqueles mais utilizados nos hospitais. “Os sangues negativos, em geral, têm menor percentual de pessoas na população e são grupos que o estoque no hemocentro é menor. Nos grupos positivos, especialmente O positivo e, em menor escala, A positivo, também têm ficado com os níveis baixos”, diz o médico. 

O Hemocentro Regional faz um apelo para que as pessoas que não doaram este ano procurem a unidade e pratiquem esse ato de solidariedade.

Todos os cuidados estão sendo tomados para garantir a segurança dos doadores nas unidades do Hemominas, assegurando o uso de máscara, o distanciamento social e a higienização frequente das mãos como recomenda a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ainda dentro das comemorações do Dia Nacional do Doador de Sangue, o Hemocentro Regional de Montes Claros realizou, na última terça-feira (23), a solenidade de diplomação para aqueles que fizeram mais de 25 doações de sangue (Categoria Prata).

Na quarta-feira houve a solenidade de diplomação da categoria Ouro (mais de 35 doações) e da categoria Diamante (mais de 50 doações). 
 
QUEM PODE DOAR
Para doar é necessário estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 quilos, estar descansado e alimentado no momento da doação e ainda apresentar documento com foto. 

Candidatos a doações de sangue que foram infectados por Covid-19, após diagnóstico clínico ou laboratorial, ficam inaptos por 30 dias após completa recuperação.

Quem teve contato com casos confirmados de Covid deve esperar 14 dias após a última interação com essas pessoas para realizar a doação de sangue.

Todas as informações necessárias podem ser encontradas no site da Fundação Hemominas.

Prazo para doar após vacinação
Quem tomou a dose contra a Covid-19 precisa respeitar um intervalo para poder doar sangue. Esse prazo varia de acordo com o imunizante recebido. Confira:
- Coronovac/Sinovac: 48 horas
- AstraZeneca/Fiocruz: sete dias
- Pfizer/BioNTech:
sete dias 
- Janssen-Cilag:
sete dias
- Sputnik V:
sete dias
- Covaxin/Bharat Biontech:
48 horas 
- Moderna: sete dias