O Laboratório de Pesquisa em Ciências da Saúde do Hospital Universitário (HUCF) conta, agora, com uma nova ferramenta para os diagnósticos de Covid-19. Aparelho doado pela empresa Novo Nordisk permite fazer a extração automatizada do RNA viral. Esta etapa é considerada determinante para o diagnóstico da doença. O equipamento permitirá fazer 300 testes por semana. 

Desde o início do mês e até a última quinta-feira foram contabilizados 450 exames para detecção do coronavírus – a demanda é de Montes Claros e da macrorregião do Norte de Minas. A estimativa é que, com o equipamento será possível fazer 48 extrações em até 45 minutos, enquanto uma pessoa, manualmente, realizaria a mesma quantidade de exames em três horas.

O Maxwell® RCS 48 é da fabricante Promega Corporation está avaliado em R$ 249 mil. A equipe da Unimontes passou pelas qualificações de instalação, de operação e especializações de performance. 

“A automatização desta etapa impactará diretamente no tempo total para realização do diagnóstico, uma vez que elimina as etapas de preparo de reagentes e a centrifuga-ção, o que permite padronizar a extração o RNA viral de 48 amostras simultâneas, num período entre 30 a 45 minutos. Além disso, minimiza significativamente o risco de contaminação entre o operador e a amostra”, explica Mauro Xavier, do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Unimontes e que integra a equipe de pesquisadores do Laboratório da Universidade.

Ainda segundo Xavier, os laboratórios públicos e privados nacionais e internacionais de referência no diagnóstico da Covid-19 utilizam este equipamento ou similares para extração de RNA do Novo Coronavírus. 

No laboratório são feitos testes de pacientes com síndrome respiratória aguda grave (em coleta domiciliar ou internados), verificados óbitos suspeitos, profissionais de saúde, além de checada preventivamente a situação de profissionais de segurança pública e de salvamento atuantes na linha de frente ao combate à Covid-19. 

Também são testados os casos envolvendo surtos de síndromes gripais, com amostra definida pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância Estadual em Saúde.
 
NA PRÁTICA 
Alessandra Ericsson também é integrante do Laboratório da Unimontes e explica que na prática o processo consiste no recebimento de amostras coletadas de orofaringe/nasofaringe (Swab). Após a coleta, são realizadas etapas laboratoriais na recepção e cadastramento das amostras coletadas por swab, extração de RNA do vírus/conversão do RNA viral em cDNA e amplificação de genes alvos específicos para Novo Coronavírus que é a RT-PCR e a interpretação dos resultados, elaboração, conferência, assinatura e disponibi-lização on-line do laudo dos pacientes no Gerenciador de Sistema Laboratorial (GAL), sistema unificado para casos confirmados e suspeitos em Minas Gerais. 

“Antes do início dos diagnósticos no Laboratório da Unimontes, o processo com amostras era enviado à Funed, em Belo Horizonte, e a liberação do resultado dos laudos demora de 3 a 5 dias. Hoje, estamos divulgando os laudos de 24 a 48 horas”, acrescenta a professora Alessandra Ericsson Xavier.