De 20 metros para 5 metros. Essa é a nova distância entre as barracas das feiras livres em Montes Claros. A mudança foi autorizada em um novo decreto publicado pela prefeitura nesta sexta-feira. A aproximação agradou aos feirantes, que querem mais mudanças para que as vendas possam melhorar.

“A situação já deveria estar normalizada. Tudo voltou a funcionar. Paramos no início e, quando voltamos, as regras dificultaram muito. Com o distanciamento, continuamos a trabalhar, mas o freguês não chega por causa da distância. Minhas vendas caíram mais da metade”, lamenta o feirante Arnaldo Oliveira, produtor de hortaliças que atua na feira do bairro Major Prates.

A feira no local existe há mais de 30 anos e é considerada um ponto tradicional de venda de produtos que vêm da roça. Mas um dos chamarizes são as comidas e bebidas comercializadas antes da pandemia. Mas os consumidores estão proibidos de consumir no local, para evitar aglomerações. Essa medida continua valendo.

“Os produtores já sofrem com muitas coisas e ainda tem essas imposições”, diz Arnaldo.

Também continua vetada por decreto municipal a comercialização de outros produtos que não sejam hortifrutigranjeiros. Além disso, o documento determina que as barracas sejam individuais e a obrigatoriedade do uso de máscara, bem como disponibilização de álcool em gel nas bancas. 

Além disso, no período em que durar a feira, as ruas não poderão ser fechadas para veículos e pedestres. 
 
VITRINE
A fim de alavancar as vendas, os feirantes da Associação dos Produtores de Hortifrutigranjeiros da Região do Pentáurea (Asprohpen), que comercializam semanalmente os produtos na feira livre do bairro São José, levam os produtos para o Montes Claros Shopping. Geraldo Élcio, idealizador da feira no São José e da parceria com o mall, diz que independentemente de espaço, as regras do decreto são respeitadas. O espaço montado no estacionamento Norte do shopping fica até 9 de setembro, de quinta a sábado, das 18h às 21h.

“O preço é o mesmo praticado na feira de bairro. Queremos fortalecer a agricultura familiar de nossa região, criando comercializações diretas e eliminando o atravessador. Além disso, vamos fazer uma horta bem bacana no interior do shopping para doação de alimentos, com seis a dez pessoas por evento. Vamos plantar e incentivar a população, através de escolas, a fazer o mesmo”, afirma Geraldo.

A associação nasceu em 2018 e conta com 150 associados que comercializam produtos como tomate, alface, chuchu, salsa, cebolinha, coentro, couve, pimentão, berinjela, frutas, morangos, dentre outros. A produção é destinada à região de Montes Claros.

Para a gerente de Marketing do Montes Claros Shopping, Shaiana Gracioli, o evento é uma nova alternativa para que a comunidade local conheça e desfrute da diversidade de produtos e alimentos produzidos pelas famílias de agricultores.

“A feira valoriza os produtores locais e oportuniza ao público que frequenta o shopping ter acesso aos produtos rurais em um evento diversificado, com todo conforto e segurança que o empreendimento proporciona”, afirma a gerente.