O grande número de pessoas em situação de rua que vive na região central de Montes Claros e chama a atenção, não só pela presença, mas pelo acúmulo de seus pertences, será alvo de um censo. O objetivo do trabalho é levantar o número exato de pessoas que vivem nas ruas da cidade. Até o momento, estimativas apontam que seriam entre 700 e mil pessoas.

O levantamento é uma sugestão do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Social (Cimos), que assinou um Termo de Cooperação Técnica (TCT) com a Fundação João Pinheiro e a Prefeitura de Montes Claros para a realização do censo.

De acordo com o MP, a coordenação técnica e metodológica está sendo conduzida pela FJP. Já o município fornecerá infraestrutura, incluindo a logística de transporte, alimentação, escritório, materiais necessários e a equipe técnica para fazer o levantamento. 

A capacitação dos recenseadores da fundação, profissionais que sairão às ruas para o levantamento, já foi realizadas nos últimos dois dias. 

Ainda de acordo com o Ministério Público, o acordo busca ampliar e fortalecer os canais de participação social, para atuar na indução de políticas públicas e promover o aprimoramento da gestão pública nos municípios do Estado.

O NORTE denunciou nós últimos anos o crescimento do número de moradores de rua na cidade. Há uma semana, mostrou, por exemplo, que a prefeitura seria obrigada a fazer no mínimo uma limpeza na praça da Matriz para a realização da Festa do Pequi. O local público tem sido completamente tomado por pessoas em situação de rua e, nos momentos festivos, os ocupantes fazem um acordo com a administração, por meio da Secretaria de Assistência Social, para desocupar a praça.

AÇÕES
Deverão ser realizadas, em conjunto, ações de extensão universitária ou de imersão municipal em municípios de Minas Gerais voltadas para o aprimoramento da gestão pública, o aumento da participação social na agenda pública, o progresso da democracia e da cidadania nas regiões e, consequentemente, a melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos municípios.

O plano de trabalho para o desenvolvimento dos projetos previstos no TCT deve ser elaborado em até 60 dias.