Hoje, às 6h 10, equipe do 7º Batalhão de Bombeiros Militar chegou à Serra do Mel, onde ontem as chamas tomaram conta da vegetação em função da força dos ventos e o terreno acidentado, que dificultou a ação de voluntários da Brigada 1 e brigadistas do Parque Estadual da Lapa Grande. Quase meia-noite, imagens dos drones do Instituto Grande Sertão (IGS) davam a exata dimensão do perigo, posto que toda a queimada acontece próximo a bairros com grande densidade populacional e à unidade de conservação que fornece 35% da água distribuída pela Copasa em Montes Claros. 

Militares do Corpo de Bombeiros e diretores do Instituto Estadual de Florestas (IEF) desde cedo articulam no sentido de Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) deslocar nas próximas horas para Montes Claros uma de suas seis aeronaves de combate a incêndio (Air Tractor) para não repetir o que ocorreu em 2015, quando o fogo consumiu grande parte do Parque Estadual da Lapa Grande. É que é de responsabilidade da SEMAD manter a vigilância sobre incêndios florestais em todo o Estado. 

A O NORTE, Eduardo Gomes, presidente do IGS, revelou que o monitoramento indica que a situação é preocupante “porque o fogo está sendo fortemente alimentado pelo vento”. Esclarece que o vento segue na direção Leste/Sudoeste, sentido à comunidade de Palmito 1 e o Parque Estadual da Lapa Grande, ressaltando que “seu controle nessa manhã será fundamental”. Também na manhã de hoje a coordenadora da Brigada 1, Maria de Fátima Procópio, revelou que “o fogo já consumiu um dolinamento (gruta) gigante lá e agora 17 brigadistas do IEF formam uma linha na comunidade de Palmito para conter avanço do fogo.”