Durou apenas uma semana a manutenção do Norte de Minas na “Onda Amarela” do programa Minas Consciente, do governo do Estado. Após avançar para a faixa mais flexível em 29 de abril, depois de apresentar bons resultados no controle da pandemia, a região regride para a “Onda Vermelha”, que é mais restritiva. As novas regras começam a valer neste sábado (8).

Com isso, 11 das 14 macrorregiões mineiras seguem na fase vermelha, etapa que permite o funcionamento de todas as atividades econômicas, desde que cumpram regras como maior distanciamento e limitação máxima de pessoas. As regiões Triângulo do Norte, Vale do Aço e Jequitinhonha seguem na “Onda Amarela”.

A decisão foi tomada nesta quinta-feira (6) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no Estado.

A incidência da Covid-19 no Estado teve aumento de 11% nos últimos sete dias. Já a positividade, ou seja, o percentual de pessoas com sintomas que testam positivo para Covid-19, se manteve em 39%, mesmo índice da semana passada, indicando estabilidade da doença.

A pressão por leitos no Estado, por sua vez, diminuiu, passando de 179 pessoas na fila de espera, na última semana, para 157 nesta semana.

As cidades com menos de 30 mil habitantes apresentaram queda na incidência da Covid-19 pela terceira semana seguida. Agora, são 87 municípios com incidência abaixo de 50 casos para 100 mil habitantes, podendo progredir automaticamente de onda, independentemente da situação da região em que se encontram.
 
MONTES CLAROS
Em Montes Claros, os números estão em desaceleração há vários dias. Ontem, o município registrava 32.693 casos confirmados de Covid-19 – mais 81 novos casos em 24 horas – e 782 mortes, sendo quatro no mesmo período.

A ocupação de leitos clínicos e de UTI pelo SUS em Montes Claros estava na faixa verde - 75% e 68%, respectivamente -, considerada aceitável. 

VACINAÇÃO
O secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, ressaltou a efetividade da vacina nos grupos que já receberam a segunda dose do imunizante, uma vez que os óbitos continuam em queda em pacientes acima de 70 anos.

“Esperamos que estes resultados também se reflitam no grupo de pessoas entre 60 e 70 anos a partir da aplicação da segunda dose da vacina que acontece nos próximos dias. Atualmente, o nosso maior ponto de atenção é em relação ao número de casos e óbitos que continuam com maior incidência nesta faixa de idade”, alertou o secretário.

Baccheretti ainda reforçou sobre a necessidade da manutenção de todos os cuidados para evitar a propagação da doença, como uso de máscara, distanciamento e higienização das mãos. “O vírus ainda está circulando de forma intensa no nosso Estado. Todos precisam se proteger e proteger o outro”, afirmou.

SAIBA MAIS

Mais doses de vacina contra a Covid-19 chegaram ao Norte de Minas nesta quinta-feira e começam a ser distribuídas aos 86 municípios que integram a região hoje. São 56.810 doses – a maior remessa já enviada ao semiárido mineiro. 

As vacinas da AstraZeneca serão usadas para iniciar a imunização de 23.551 pessoas que possuem comorbidades, como diabetes, arritmia cardíaca, doença renal crônica, obesidade mórbida, síndrome de Down, dentre outras; 12.106 para pessoas que possuem deficiência permanente severa e 3.512 gestantes e puérperas. Com as vacinas da AstraZeneca os municípios também deverão aplicar a primeira dose em mais 21,6% das pessoas da faixa etária de 60 a 64 anos e em 7,4% dos profissionais das forças de segurança e das Forças Armadas.

Já as vacinas da CoronaVac serão utilizadas para a conclusão do esquema vacinal em 6% dos profissionais das forças de segurança, salvamento e das Forças Armadas e em 3% dos trabalhadores da saúde.

*Com Agência Minas