O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou, na manhã de ontem, que ainda não tem data definida para o pagamento do 13º salário dos servidores públicos estaduais. 

“Temos nos empenhado ao máximo para que o maior valor, a maior proporção do salário, venha a ser pago o quanto antes, mas ainda não temos uma definição”, declarou, em entrevista à rádio Itatiaia. 

Em relação à escala de pagamento do mês de dezembro, Zema informou que o cronograma será divulgado até a próxima segunda-feira (30). 
 
PRIVATIZAÇÃO
O governador defendeu a privatização da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), assunto que está em pauta na Assembleia Legislativa(ALMG), como forma de apoio à tentativa de estabilização das finanças mineiras, incluindo o pagamento do 13º.
 
REFORMAS
“Sem as reformas, o Estado de Minas não é viável financeiramente. Tem que ficar claro isso. Já aprovamos a Reforma da Previdência, mas o efeito dela será daqui a cinco, dez anos. A curto prazo o efeito é muito pequeno”, disse. O líder do Executivo estadual ressaltou que espera que os deputados sejam sensíveis a essa questão.

Questionado se o Estado terá condições de pagar o 13º mesmo sem a priva-tização da empresa, Zema afirmou que desejaria pagar 100%, mas que não pode fazer compromisso.

“Seria muita pretensão minha dizer isso. Vamos ter reunião com a Secretaria da Fazenda para darmos um cenário de como será feito o pagamento. Mas, nesse momento, eu não posso assumir esse compromisso”, afirmou.

Zema também pediu compreensão aos mineiros. “Tem gente que fala: ‘você já está há dois anos e não fez’. Mas é igual a alguém que ganha R$ 3 mil e deve R$ 200 mil. Ele não consegue pagar a dívida dele em dois, três, em quatro anos, mas estamos caminhando para sanar a situação do Estado, sim”, declarou.