Se o amigo nasceu nos últimos 15 anos, essa história pode não fazer sentido. Mas se o caro leitor acumula mais janeiros, é possível que você viva esse dilema: escolher o que assistir no seu serviço de streaming. Parece besteira, mas passamos muito tempo tentando decidir o que assistir. E a razão é que fomos condicionados a ter alguém para decidir por nós, no caso a emissora de TV, a rede de cinema e até mesmo o balconista da locadora de VHS, que definem o que será exibido. E diante de tantas plataformas e com milhares de conteúdos, encontrar um filme pode ser um verdadeiro calvário. 

Foi pensando nessa dor que um grupo de desenvolvedores criou o Chippu. Trata-se de um aplicativo (com versões para Android e iOS) que literalmente te indica quais filmes assistir. A lógica de funcionamento do aplicativo é bastante simples. O usuário, ao entrar no app, precisa responder algumas perguntas vinculadas a gêneros de filmes, artistas e títulos. 

A medida em que o usuário clica nas opções, como “O Exterminador do Futuro” ou “Rocky Balboa”, o sistema faz um mapeamento do que ele gosta. Em seguida, o aplicativo te mostra uma lista de filmes e pergunta quais já foram assistidos. Ele armazena essas informações para não sugerir nada que você já tenha visto. A partir daí, ele indica o que assistir e em quais plataformas está disponível, como Netflix, Amazon Prime Vídeo, Google Play e iTunes.

A ideia do Chippu surgiu há cerca de três anos, como explica o jornalista Thiago Romariz, que até pouco tempo integrava o time do site Omelete. Mas foi no início do isolamento social que ele resolveu botar a ideia para rodar junto ao empresário Vitor Porto Brixi, além dos engenheiros Luigi Pedroni e Thamer Hatem, proprietários da empresa de tecnologia Happe.

“O consumo de streaming é um comportamento que vinha muito forte no Brasil há anos. No final de 2019 tivemos um pico de uso. As empresas do ramo têm investido pesado, como Netflix, Amazon e Globo Play e, agora, se tornou um comportamento básico. E com a pandemia isso se acentuou muito. Daí resolvi retomar o projeto”, comenta Romariz.

Segundo o empresário, o Chippu foi pensado para ser rápido e assertivo. Ou seja, tinha que ser uma ferramenta que qualquer pessoa fosse capaz de usar. O quiz inicial tinha que ser objetivo, daí o foco nos atores e produções, que trilham um caminho rápido. Afinal o aplicativo veio para resolver um problema e não criar um novo.

Dessa forma, a ideia era combinar tecnologia (com inteligência artificial e algoritmo) com curadoria humana. De acordo com os desenvolvedores não bastava apenas combinar as respostas dos usuários e deixar que a máquina fizesse o trabalho. É preciso ler os dados e associá-los ao conhecimento humano. 

“Eu trabalho há bastante tempo com dados, analytics e algoritmos, que te ajudam bastante, mas os números te levam até certo ponto e as escolhas devem ser feitas por pessoas. Por isso misturamos as duas coisas e nasceu o Chippu”, comenta Romariz. 
 
DICA DO DIA
Toda vez que o usuário abre o app, ele te pergunta se você quer uma dica. E inicia o quiz, gênero, plataforma, depois vai para quatro opções com características do filme. Por exemplo: se for um filme de terror, vai exibir opções com elementos sobrenaturais, monstros e assassinos, como “Alien: O Oitavo Passageiro”, “Sexta-Feira 13” ou “O Exorcista”. 

Em seguida, exibe uma sugestão, em que há botões: “Gostei”, “Já vi” e “Não”. Na tela do filme ainda aparecem elenco, nota da curadoria e as plataformas em que pode ser acessado. Se o usuário não tiver gostado, ele irá procurar outro filme do gênero. Caso tenha curtido, ele direciona para o app de streaming.

Com apenas uma semana no ar, o Chippu ainda precisa de ajustes e correções que o time está monitorando. Nas primeiras 48 horas foram cerca de 20 mil downloads, o que comprova que o público sofre para escolher um filme.

“O que nos deixa feliz é saber que o Chippu é capaz de resolver essa dor do usuário”, comenta Romariz, que explica que há planos de expansão da ferramenta que no futuro oferecerá novos serviços, assinaturas e benefícios. 

E como diz o ditado: quem muito escolhe, acaba escolhido. Mas fica a dica, coloque a pipoca para estourar antes de abrir o aplicativo. Só para o amigo não precisar pausar o filme para despejá-la na bacia.