Não há dois jogadores na história recente do Atlético que tenham mais ligação com o Mineirão que o goleiro Victor e o atacante Diego Tardelli. Símbolos das grandes temporadas de 2013 e 2014, há outro fato que une os dois ídolos da Massa nesta quinta-feira, pois ambos devem viver o último jogo no Gigante da Pampulha, com a camisa alvinegra, no confronto que fecha a participação do Galo na Série A. O jogo será às 21h30, contra o Palmeiras.

Os dois têm contrato com o Galo até domingo. O vínculo terminaria em dezembro do ano passado, mas foi prorrogado por causa da invasão de 2021 pela temporada 2020, reflexo da pandemia pelo novo coronavírus, que deixou a bola parada no país por cerca de quatro meses.
 
HISTÓRIA
A era mais vitoriosa da história do Atlético, se forem considerados os grandes títulos, foi vivida em 2013 e 2014. O Mineirão foi o palco das conquistas, que foram três, e Victor e Diego Tardelli tiveram destaque em todas elas.

Dos jogadores do grupo atual, eles são os únicos, pois o zagueiro e capitão Rever, apesar de ter conquistado as três taças, não participou do jogo decisivo em todas elas.

Em 24 de julho de 2013, Victor e Diego Tardelli entraram para a história alvinegra participando da maior conquista do clube, a Copa Libertadores.

O título em cima do Olimpia, do Paraguai, nos pênaltis, num Mineirão lotado, teve Victor como o protagonista da campanha, mesmo que tivesse Ronaldinho Gaúcho como concorrente, e Diego Tardelli como a “cereja do bolo” de um time vice-campeão brasileiro em 2012.

Isso na opinião do então presidente atleticano da época, Alexandre Kalil.

2014
Um ano depois de vencer a Libertadores, o Galo voltava ao Gigante da Pampulha buscando um título internacional, a Recopa Sul-Americana, contra o Lanús, da Argentina. E carregava a vantagem de ter vencido a ida, na Grande Buenos Aires, por 1 a 0, gol de Diego Tardelli.

Foi dele também o primeiro gol no Mineirão, nos 4 a 3 alcançados pelo Atlético na prorrogação.

Em 26 de novembro de 2014, Victor e Diego Tardelli completaram a trinca conquistando a Copa do Brasil numa final 100% mineira, contra o rival Cruzeiro.

E o gol atleticano foi marcado exatamente pelo camisa 9. Com o 1 a 0 sobre a Raposa, o Galo, que já tinha feito 2 a 0 na ida, no Independência, chegou ao segundo título nacional da sua história.
 
MARCAS
Tardelli pode ter encerrada hoje sua terceira passagem pelo Atlético. Na primeira, em 2009 e 2010, foi artilheiro do Brasileirão no primeiro ano e campeão mineiro no segundo. Ele venceu ainda o Estadual em 2013 e 2020.

Victor tem história linear. Chegou no segundo semestre de 2012 e logo virou santo, pela participação no título da Libertadores, quando fez defesas memoráveis, a maior delas o pênalti cobrado por Riascos que poderia decretar a eliminação do Galo nas quartas. Venceu o Mineiro em 2013, 2015, 2017 e 2020.