Em meio à maior crise dos seus 99 anos de história, o Cruzeiro vê nas categorias de base a principal alternativa para tentar dar a volta por cima dentro de campo. Com graves problemas financeiros, a Raposa tem dificuldades para ir ao mercado e conta com os jovens jogadores formados no clube para compor o elenco comandado pelo técnico Adílson Batista. 

No primeiro teste, a garotada deixou boa impressão. Com gols dos atacantes Thiago e Welinton, que têm 18 e 20 anos, respectivamente, a equipe celeste venceu o Boa Esporte por 2 a 0, no Mineirão, na última quarta-feira, na estreia das duas equipes no Campeonato Mineiro. 

Entretanto, a comissão técnica e os departamentos médico e de fisiologia do Cruzeiro vão precisar ter cuidados especiais com esses jogadores. 

A primeira questão é física. Muitos dos atletas incorporados ao elenco principal neste início de temporada vieram direto da disputa da Copa São Paulo de Futebol Júnior, competição em que a Raposa se despediu há poucos dias. 

Sem férias, em final da temporada da categoria sub-20 e sujeitos a uma intensidade de treinos diferente junto ao elenco de Adílson Batista, alguns jogadores já apresentaram problemas musculares na estreia da equipe estrelada no Estadual. 

Autor do primeiro gol do Cruzeiro na temporada, o atacante Thiago deixou o gramado ainda no primeiro tempo e teve constatada uma lesão na coxa esquerda. Na segunda etapa, o volante Jadsom Silva foi substituído, apresentando um desgaste muscular, mas a princípio não teve lesão.
 
PACIÊNCIA 
Mesmo com um bom cartão de visitas apresentado ao torcedor, o comandante da Raposa fez questão de pregar cautela em relação aos jogadores recém-promovidos ao time principal. 

Além da parte técnica, a esperança do clube estrelado é de que esses garotos consigam trazer um retorno financeiro à instituição. 

“Devemos nos preocupar se esses meninos vão ter uma carreira bonita. Não só lançar em um ou dois jogos, e daqui a pouco esse menino se perde. Jogar no Cruzeiro não é fácil, a cobrança é muito alta. Precisamos de cuidado e compreensão”, completou Adílson. 
 
SURPRESA 
Se por um lado é necessário paciência para que as jovens promessas da Raposa possam se firmar no time principal, a presença desses garotos no elenco pode gerar um efeito positivo para o time celeste neste início de temporada. 

A atenção, nesse caso, seria dos adversários em relação ao time. Sem badalação e com poucos investimentos no mercado, o elenco do Cruzeiro não é apontado como candidato a grandes campanhas neste primeiro momento. 

Entretanto, justamente essa baixa expectativa ajuda a aliviar a pressão em cima do grupo estrelado, que poderia entrar mais leve em campo, com menos responsabilidade pela busca dos resultados. E, com isso, surpreender os rivais, que pouco sabem o que esperar da Raposa em 2020.