Depois de conquistar o 1° lugar no Campeonato Estreantes pela Federação Internacional de Fisiculturismo e Fitness (IFBB), em 2019, em Belo Horizonte, Maikon Kennedy se prepara para a terceira competição na 9° Copa Body Classic Brasil, um aberto nacional que acontece em 24 e 25 de outubro no teatro Madre Esperança Garrido, em Goiânia (GO).

Para o atleta, o fisiculturismo se tornou um estilo de vida. “Não me imagino fazendo outra coisa. Tenho prazer em treinar e me alimentar bem. Treino desde os 16 anos e fui me aprofundando sobre o universo do fisiculturismo, estudando e pesquisando a respeito da alimentação dos atletas e dietas”, explica.

“A ideia de competir surgiu graças aos vídeos do atleta Felipe Franco, no YouTube, que me trouxeram total inspiração para o esporte. Foram apenas 40 dias de preparo em meu primeiro campeonato e para minha surpresa fui campeão logo na estreia”, conta. 

Seis meses depois, ele participou de outro campeonato. “Mas foi uma preparação muito conturbada e não obtive um resultado bom. Serviu de aprendizado para as próximas competições”, diz.

O sonho do fisiculturista é se tornar um atleta profissional, pois ainda segue na categoria de amador. Para isso, precisa disputar campeonatos específicos e vencer na categoria, e logo após competir entre os vencedores das outras. “Assim o campeão se torna profissional”, diz.

A Copa Brasil Body Classic reúne atletas de todo o Brasil e garante vaga para os campeonatos internacionais. O fisiculturismo foi oficialmente reconhecido como uma disciplina esportiva na versão moderna (regulamentos atuais) pelo Conselho Executivo da IFBB e membros afiliados no Congresso Anual da IFBB em 1970 em Belgrado, Iugoslávia.

Os principais critérios e parâmetros a serem avaliados nesta categoria são: simetria, proporção, densidade, definição e volume muscular.