De acordo com a filosofia do futebol, das derrotas pode-se tirar valiosas lições. No caso do Atlético, em quatro ocasiões esse tipo de situação aconteceu: os resultados negativos para Botafogo, Internacional, Santos e Fortaleza. E, indo além do aprendizado por partida, existe um outro ensinamento, que emerge entrelaçado a um alerta ao melhor time da Série A até agora: atualmente, o Galo tem um percentual de reveses que não condiz com o de nenhum dos campeões brasileiros, desde que a competição passou a ser disputada por 20 clubes e no sistema pontos corridos em 2006.

Para o duelo deste sábado (10), às 21h, com o Goiás, no Mineirão, pela 15ª rodada, o alvinegro busca uma vitória para se manter na ponta da competição e, obrigatoriamente, chegar perto do ‘índice dos campeões’.

Os times que menos sofreram derrotas e acabaram com a taça, neste período, foram o São Paulo de 2006, o Palmeiras de 2018 e o Flamengo de 2019, cada um deles com apenas quatro derrotas – ou seja, em 38 rodadas disputadas, os reveses representaram 10,5% dos resultados dessas agremiações.

Este número de derrotas é o mesmo já atingindo pelo Galo 2020, só que com um terço de competição – à equipe mineira, restam ainda 25 confrontos.

Já entre os que mais perderam e ainda assim angariaram o título estão o rubro-negro versão 2009 e o Corinthians de 2011, com nove derrotas, o que representa uma fatia de 23,6% de resultados de suas partidas. Dos embates do Atlético, nesta edição, 30,7% terminaram com derrota do alvinegro.

Ficar mais ou menos nesta faixa de derrotas pode ser fundamental na briga pelo título, sobretudo porque, até agora, a disputa está bem acirrada. Um resultado negativo pode custar a liderança ao Galo, que tem 27 pontos, dois a mais que o Internacional.