O gol sofrido diante do Grêmio, aos 39 minutos do segundo tempo, na última quarta-feira, em Porto Alegre, no empate por 1 a 1 com o tricolor gaúcho, não tira o Atlético da briga pelo título brasileiro, na disputa mais equilibrada pela taça em dez edições. Mas a 38ª bola na rede alvinegra faz com que o Galo, mesmo que não seja mais vazado nas nove partidas que ainda disputará, se for campeão da Série A o será com a pior defesa da década, ao lado do Cruzeiro de 2014.

E o desafio de arrumar o setor defensivo do seu time na reta final da competição começa para o técnico Jorge Sampaoli neste sábado, quando o Atlético encara o Vasco, às 21h, em São Januário, no Rio de Janeiro, em confronto válido pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A análise da campanha do Galo evidencia que ele não ocupa a liderança isolada do Brasileirão pelo desempenho ruim fora de casa, onde tem um aproveitamento de 40%, a metade do alcançando como mandante, que é de 80%.
 
INGREDIENTE PRINCIPAL
E a campanha ruim como visitante tem como ingrediente principal o grande número de gols sofridos fora de Belo Horizonte. Em 12 das 15 partidas na casa do adversário foram 26, média de 1,73.

Só como comparação, o Bahia, que tem a pior defesa deste Campeonato Brasileiro, pois foi vazado 51 vezes em 30 jogos, tem média de 1,70, pouco inferior a que carrega o Galo longe dos seus domínios.

Os três jogos fora de casa sem sofrer gol representam 20% da campanha do Atlético como visitante. O que preocupa é que em 33,3% desses confrontos o time sofreu três gols. Isso aconteceu em quatro derrotas, por 3 a 1, para Santos e Bahia; e por 3 a 0, para Palmeiras e São Paulo.

Uma vez o Galo saiu de campo vitorioso mesmo sofrendo três gols. Foi nos 4 a 3, de virada, sobre o Atlético-GO, no Estádio Olímpico, em Goiânia, em 19 de setembro de 2020, pela 10ª rodada.

Em quatro oportunidades, o time de Sampaoli sofreu dois gols fora de casa, nas derrotas de 2 a 1 para Botafogo e Fortaleza, e nos empates por 2 a 2 com Ceará e Bragantino. A defesa foi vazada uma vez na derrota para o Internacional, na vitória de virada sobre o Corinthians e no empate diante do Grêmio na última quarta-feira.

A campanha mostra que nem só adversários mais qualificados tecnicamente, como São Paulo e Palmeiras, provocaram problemas à defesa atleticana nos jogos como mandante neste Brasileirão.

Times que brigam contra o rebaixamento, assim como o Vasco, também criaram dificuldades. E corrigir este problema é fundamental para que o Atlético de Jorge Sampaoli arranque para o título na reta final da Série A do Campeonato Brasileiro.