A nota conquistada na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pode decidir o futuro de um candidato. Se zerar a prova, ele não tem acesso, por exemplo, ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) – pelo qual é possível ingressar em uma universidade federal – nem ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Por conta disso, estar atento aos erros gramaticais mais comuns no teste pode ajudar o aluno a se preparar melhor para uma boa dissertação.

A recomendação torna-se ainda mais importante numa época em que, principalmente os jovens, estão acostumados com a escrita informal comum nas trocas de mensagens por aplicativos e redes sociais.

“Muitos escrevem como teclam e não se lembram, na hora da prova, que escrever uma redação é diferente de conversar com alguém. Como eles criaram linguagens novas, muitas vezes se esquecem que elas não fazem parte da norma culta exigida no exame”, diz o professor José Eustáquio Simões, coordenador do Curso Preparatório para o Enem Promove.

Para se sair bem no teste, treinar bastante é a dica dada pelo docente. “Faça várias redações e leia muitos livros e notícias de jornais e revistas. Com a leitura, você se acostuma com a norma culta. Os erros mais cometidos são crase, pontuação, concordância e regência. Tem que estudar bem esses pontos”, sugere José Eustáquio.
 
SEM DESESPERO 
Na preparação, o estudante não precisa se desesperar, afirma a professora de Linguagens e Redação Poliana Wink, da rede Chromos. Ela reforça ser importante que o candidato conheça os erros cometidos em provas das edições passadas e aprenda com eles. 

Confira abaixo algumas dicas para fazer uma redação de acordo com as exigências do Enem.