A conclusão da primeira turma da pós-graduação em Microbiologia Funorte/Fasi aconteceu com grande mérito para os trabalhos realizados pelos alunos. A maioria seguiu a linha da experimentação, avaliando contaminações do meio ambiente, doenças humanas e animais.

Sem nem mesmo saber a importância que o tema teria, pois a proposta de pesquisa foi feita antes da pandemia pelo novo coronavírus, Flávia Luiza Cardoso Vieira abordou a eficácia do álcool a 70% no controle microbiano. 

“Foi muito importante, porque inicialmente surgiram muitos questionamentos e até fake news sobre a eficácia do álcool a 70%. Não utilizei de vírus para o meu experimento e sim de uma bactéria, o Staphylococcus auereus, considerada a mais virulenta do seu gênero, apresentando uma enorme capacidade de adaptação e resistência à maioria dos antimicrobianos. Ela ocupa atualmente a posição de maior importância nas infecções hospitalares. E o álcool se mostrou muito eficaz na eliminação destas bactérias que, estruturalmente, podem até ser mais complexas que um vírus”, explica Flávia. 

Para ela, participar da pós-graduação em Microbiologia foi extremamente importante. “Tive a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas e adquirir muitos conhecimentos. Tivemos módulos bem diversificados, um corpo docente de alta qualidade e aulas bem dinâmicas. Esse curso nos abre um leque de oportunidades, justamente por nos proporcionar conhecimento nas diversas áreas da Microbiologia, que pode ser ambiental, clínica, veterinária e industrial. Essa especialização muito me agregou em termos profissionais e também pessoal”, ressalta.
 
DIPLOMAS
A turma de 20 alunos fez a defesa dos projetos em abril, em banca virtual, e a entrega final dos trabalhos e recebimento dos diplomas está sendo feita neste mês. 

Segundo Max Alencar, coordenador da pós em Microbiologia, uma das vantagens de o TCC ter ocorrido por videoconferência foi a presença de renomados profissionais na banca examinadora. 

“Alguns profissionais convidados que não teriam disponibilidade de tempo em seu calendário e nem de viajar para um outro Estado em um dia comum de semana puderam encaixar um horário em sua agenda e participar conosco da banca examinadora. Ficamos muito felizes com o alto nível de excelentes profissionais conosco”, explica. 
 
APRENDIZADO
Para a bióloga Waenna Cintia Motta, o principal motivo de escolher a especialização na Funorte foi a aprimoração em outras áreas. “Foi um aprendizado muito grande fazer um trabalho em uma área pouco explorada, onde pude me especializar e melhorar dentro do meu trabalho atual. Foi um curso excelente, que me angariou bastante conhecimento com professores com experiência no exterior, que compartilharam muita sabedoria, experiências e informações de grande proveito”.

Waenna fez uma pesquisa com o objetivo de analisar a taxa de colonização por Staphylococus aureus em um grupo de mulheres de idade reprodutiva em Montes Claros e a suceptibilidade de cepas desse agente aos antimicrobianos. “A bactéria é um micro-organismo comensal do homem que pode estar envolvido em inúmeras doenças infeciosas. Analisando o perfil de resistência das cepas de Staphylococus aureus isoladas de mucosas vaginais, resultou em 92,3% do tipo padrão MRSA, 48,7% VRSA e 87% eram multirresistentes. Os resultados microbiológicos são, em sua maioria, menosprezados pela equipe de saúde, sendo tratados apenas quando apresentam sintomas incômodos à vida da mulher”, finaliza Waenna.