Agronegócio

Peixes no sertão mineiro

Piscicultores de Bocaiuva, Norte de Minas, contarão com frigorífico próprio para manejo do pescado

Da Redação
Publicado em 01/03/2023 às 23:46.
Em parceria com a Codevasf, produtores atendidos pela FAEMG receberam 17 mil alevinos (FAEMG/DIVULGAÇÃO)

Em parceria com a Codevasf, produtores atendidos pela FAEMG receberam 17 mil alevinos (FAEMG/DIVULGAÇÃO)

Os piscicultores de Bocaiuva, no Norte do estado, estão conquistando cada vez mais espaço com a ajuda do Sistema Faemg Senar. No segundo ano do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), produtores conseguiram otimizar técnicas e manejos, reduzir custos operacionais, organizar a cadeia produtiva na região e, com isso, conquistaram, por meio de parceiros, a instalação de um frigorífico próprio para abate dos peixes.

A atuação e incentivo regional, que abrange ainda produtores de municípios vizinhos, como Guaraciama e Olhos D’Água, tem ocorrido por meio do trabalho conjunto do Sindicato dos Produtores Rurais de Bocaiuva, Associação de Piscicultores do Portal do Norte, Sistema Faemg Senar, além de outras entidades, como a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paraíba (Codevasf).

“Esse somatório de esforços e parceiros são pilares de sustentação para que essa nova atividade dê certo na região, que gere condição de renda e emprego para o Norte de Minas. Especificamente sobre o ATeG, quando vem uma assistência técnica faz com que nos tornamos mais competitivos, nos coloca de maneira melhor no mercado. Por isso, as perspectivas são as melhores possíveis com a piscicultura”, destaca Herciliano Carneiro, piscicultor e presidente da Associação de Piscicultores. 
 
TÉCNICA E GERENCIAMENTO  
Herciliano Carneiro lembra que há três anos a piscicultura não tinha relevância na região pela dificuldade que muitos produtores rurais tinham em iniciar ou manter a atividade, que ainda era conduzida de forma amadora. Foi quando eles entenderam a necessidade de organizar os piscicultores para uma atuação mais técnica e com melhor gerenciamento do negócio. Atualmente, há cerca de 60 piscicultores na região, sendo que mais da metade são pequenos negócios, sendo da agricultura familiar.

O técnico de campo do Sistema Faemg Senar, Danniel Ruas Abreu, que dá assistência aos produtores, explica que foi feito um diagnóstico inicial em que o gerenciamento da produção e a comercialização foram identificados como os dois principais gargalos da atividade.

“Fizemos uma matriz das fraquezas e oportunidades dos produtores. A maioria estava na informalidade, sem licenças ambientais, sem registro dos peixes nos órgãos competentes, sem algumas outorgas. Eles foram instruídos a regularizar tudo isso. Com essa adequação, caminhamos para suprir uma das maiores dificuldades que era para fazer a venda dos peixes. Até então, o custo operacional da atividade estava alto, porque atuavam de maneira informal”, explica o técnico de campo.

Frigorífico e investimentos

Com os primeiros resultados aparecendo de forma rápida, especialmente na organização gerencial dos empreendimentos, muitos produtores rurais passaram a enxergar ainda mais o potencial da atividade, o que foi reforçado com o anúncio da instalação de um frigorífico próprio.

A expectativa é que o funcionamento se inicie ainda neste ano, com a capacidade de abater cerca de uma tonelada de peixes por dia. Para atingir esse estágio, foi feito um estudo de viabilidade econômica por meio de um curso do Senar Minas, que traçou um plano de ação para os investimentos na piscicultura e ajudou a entender a quantidade de peixes ideal para a nova demanda. Até então, o abatedor mais próximo fica a cerca de 300km da região de Bocaiuva.

O empresário Fernando Augusto Krusemark Brandão é um dos piscicultores que recebe orientação do Programa ATeG e espera a chegada do frigorífico para maior valorização da produção local. Ele iniciou na atividade há pouco mais de um ano, incentivado pelos amigos para aproveitar o espaço de um sítio como opção de fonte de renda. Para a primeira recria de tilápias, que ele abateu, foi preciso achar um comprador com frigorífico em outra cidade, o que desvalorizou um pouco a carga.

“Ainda não atingi o que é possível, mas a expectativa com o frigorífico é boa, saindo do papel melhora o cenário. Nessa primeira recria, quando chegou na época de venda dos peixes, tive dificuldades. Eles já estavam prontos para serem comercializados e, para não ter mais prejuízos, pois gasto cerca 25kg de ração por dia, precisei aceitar a venda para um frigorífico em outra cidade. A orientação técnica do Sistema Faemg Senar tem sido muito importante para melhorar o manejo. Agora precisamos aprimorar as estratégias de mercado”, analisa Fernando Augusto.

Entre as espécies criadas na região, estão a tilápia, o tambaqui e o pintado real. No início do ano, por meio da Codevasf, foram doados 17 mil alevinos aos piscicultores atendidos pelo ATeG na região, mantendo a perspectiva de crescimento do segmento.

Compartilhar
Logotipo O NorteLogotipo O Norte
E-MAIL:jornalismo@onorte.net
ENDEREÇO:Rua Justino CâmaraCentro - Montes Claros - MGCEP: 39400-010
O Norte© Copyright 2023Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por