Hoje seria aniversário do saudoso Godofredo Guedes, conhecido carinhosamente por Gegê, Godô, montes-clarense de coração. Não só um grande músico instrumentista, mas também um exímio fabricante de instrumentos, compositor e artista plástico. 

Godofredo Guedes (1908/1983) nasceu em Riacho de Santana, na Bahia, e mudou para o Norte de Minas. Para ganhar a vida, pintava placas, letreiros, fachadas e ainda comandava um conjunto musical que tocava nas noites. Ele é pai de Beto Guedes, avô de Gabriel Guedes, artistas conhecidos nacionalmente.

“O Godofredo influenciou minha maneira de tocar, de perceber a música, uma veia mais mineira, da terra”, declarou Gabriel. Neste sábado (15), pelo Facebook de Gabriel Guedes, acontece uma linda homenagem ao ilustre Godofredo Guedes.
 
OBRAS DE ARTES
Para o músico e compositor Jukita Queiroz, o nome de Godofredo chegou inicialmente por meio de suas obras de arte, quando décadas atrás, ainda vivo, muitas famílias queriam ter telas dele em seus lares. 

“Isso, pelo seu talento como artista plástico, um olhar cuidadoso e traços fiéis reconhecidos por apreciadores dessa arte e mesmo pelos leigos. Em casa, tivemos o prazer de ter um quadro que ele pintou, da casa dos meus pais em Coração de Jesus”, revela. 

GODOFREDO MÚSICO
O cancioneiro de Godofredo Guedes é composto por cerca de cem obras que inclui choros, sambas, serestas, modinhas, valsas e marchinhas, algumas inéditas ou pouco conhecidas pelo público.

“Em seguida, veio o Godofredo, músico, que o artista e todos nós conhecemos nas músicas gravadas por Beto Guedes, onde ele mostra sua sensibilidade na composição de modinhas que remetem ao ambiente seresteiro, característico de Montes Claros em outrora. Dessas canções, aprecio e gosto de cantar ‘Noite Sem Luar’, ‘Cantar’, ‘Casinha de Palha’, ‘Saudades da Bahia’”, diz Jukita.

Posteriormente, Jukita conta que foi no Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernândez que conheceu o Godofredo compositor de lindos choros. 

“No Grupo de Choro Geraldo Paulista sempre relembramos Godô, nos seus choros, como ‘Belo Horizonte’, ‘Tocando no Parque’, ‘Tarde em Fortaleza’, dentre outras”, diz.
 
HOMENAGEM
Jukita Queiroz conta que teve o prazer de participar junto a Gabriel Guedes, neto de Godofredo, de uma homenagem no Centro Cultural Hermes de Paula, quando recordaram cantando diversas autorias dele. “Penso que é um músico, artista plástico e artesão que muito contribuiu com a cultura montes-clarense com seu talento artístico. E hoje temos suas produções para apreciar e relembrá-lo”, afirma. 
 

NOITE SEM LUAR

(Godofredo Guedes)
 
Vi no horizonte azul a tarde desmaiar
E a noite aproximar
Enchendo de tristeza a solidão do mar
Roubando à natureza a luz crepuscular
E a sós no meu jardim cismava a divisar
Na noite sem luar
A vela que singrando
O oceano imenso
Levava para o além o meu querido bem
Foi que então veio a saudade e eu chorei
Depois com lágrimas nos olhos eu jurei
Jamais prender-me por amor
No cárcere cruel da dor

SERVIÇO
Homenagem a Godofredo Guedes Quando:
Hoje (15/8)
Horário: 20h
Onde: Facebook de Gabriel Guedes (gabriel.guedes.374) e pelo canal do youtube “Pedro volta Teixeira”