As redes sociais de Evanice Rezende bombaram quando ela publicou a foto de uma caçarola italiana que ela havia feito em casa. Choveram comentários e pedidos de entrega do prato delicioso, cheio de história, receita da família, que remete a pessoas que ela tanto ama.

Foram tantos os pedidos, que Evanice não deu conta de atender a todos, pois trabalha de maneira artesanal. “Tenho um romance com esse prato. Quando preparo, meu coração pulsa mais forte. Tem toda uma história de minha família, dos momentos felizes e também dos difíceis, que em minha opinião nos habilitam para sair do sofrimento e buscar a gratidão e a felicidade de transformar tudo em bem. Alimentando o corpo, mas elevando o espírito”.

Nessa entrevista, ela conta um pouco mais desse clássico que faz sucesso na mesa do café ou do lanche. E faz questão de compartilhar a receita. “É um prazer. Não tem erro, desde que o amor esteja presente”, diz.

Evanice, conhecida como Ninha, é filha do saudoso Edson Assis Vieira de Rezende. “Meu pai, sentindo necessidade de aumentar a renda familiar, abriu seu próprio negócio, uma lanchonete no antigo Mercado Municipal, que ficava na rua Doutor Santos, onde nos dias atuais funciona o Shopping Popular”, lembra Evanice.

Com a demolição do Mercado, a municipalidade o transferiu para um quiosque no passeio da praça Dr. Carlos, onde permaneceu até falecer. Os filhos, então, prosseguiram com o negócio.

“Minha mãe, visionária de natureza, fez a caçarola italiana, receita de sua avó, para vender na lanchonete. E deu muito certo. Tão certo que fornecia para outras lanchonetes tradicionais na cidade, como Zim Bolão e Café Galo. Nessa época, os queijos eram comprados frescos e curados em nosso quintal”, conta.

Os queijos eram lavados e secos com panos de prato até que estivessem prontos para ralar. “Chegamos a ralar no punho, de 20 a 30 queijos por dia. Nada de raladores elétricos. Em 1983 meu pai comprou um ralador industrial e batedeiras para otimizar nossa produção. Em 1984 ele faleceu. Dois anos depois, minha mãe”, recorda Evanice.

Foi então feita a divisão das tarefas. A tradicional caçarola italiana ficou para Evanice, que melhor conseguiu executar a receita. E foi assim que o quitute entrou em sua vida. 

“Depois que o negócio familiar acabou, fui exercer o magistério”, diz Ninha, que retornou à produção da caçarola depois que a escola onde trabalhava fechou.

Junto com a irmã, abriu a lanchonete “Sabores de Teresa”. A caçarola italiana voltou ao menu e, novamente, se tornou o carro-chefe da renda familiar. “Ficamos 18 anos com a lanchonete, até que resolvemos alugar o ponto comercial”, conta. 

Nos dias de hoje, o preparo da caçarola italiana é na cozinha da Ninha, bem artesanal, mantendo a tradição familiar. 

 

RECEITA: CAÇAROLA ITALIANA
Ingredientes:
15 colheres (sopa) de açúcar 
1 colher (sopa) de manteiga bem cheia
4 ovos caipira
15 colheres bem cheias de queijo curado, ralado
5 colheres bem cheias de farinha de trigo
600 ml de leite morno
Modo de preparo:
Bater o açúcar, a manteiga e os ovos até que o cheiro agrade seu olfato. Acrescente o queijo ralado e a farinha de trigo. Mexa suavemente até ficar uma massa homogênea. Coloque então, o leito morno.
As formas devem ser de pirulito, untadas com uma boa quantidade de manteiga e levadas por um tempo à geladeira. Para que não derreta quando despejar a massa. Fica bem líquido mesmo, por isso ela demora a assar, por volta de 50 a 70 minutos, no forno médio ou alto.
O forno deve ser aquecido previamente.
Coloque para assar assim que incorporar o leite a massa.
Nunca, jamais incorpore o leite frio nem quente demais. Enfornar imediatamente.