O Carnaval ainda nem chegou e, pelo que tudo indica, nem deve acontecer neste ano por causa da pandemia pelo novo coronavírus. Mas, os planos para a Páscoa estão a todo vapor. Afinal, além de adoçar um pouco esse período tão difícil pelo qual estamos passando, é uma festa que dispensa aglomerações e ainda ajuda muitas famílias a terem uma renda extra com a produção de ovos de chocolate caseiros.

A acadêmica do curso de Medicina da Funorte, a montes-clarense Maria Betânia Lessa, de 21 anos, que há quatro trabalha com doces, já está debruçada nas possibilidades de personalização e diferenciação dos produtos que vende. A criatividade será a palavra dessa Páscoa, na avaliação da jovem confeiteira. 

Maria Betânia aposta em ovos recheados, trufados, de diversos sabores e recheados com pedaços de bolo, com muita mineiridade envolvida.

Quem visita o perfil no Instagram da empresa da estudante, a Divino Doce, não resiste às delícias ali apresentadas e sabe que a data mais doce do ano vai ser de dar água na boca.

Uma tentação! Tudo feito pelas mãos habilidosas da futura médica que faz doces gourmet para eventos ou datas comemorativas, além de oferecer pronta entrega de alguns produtos, em pequenas quantidades.

São deliciosas tortas, brownies e ovos de Páscoa artesanais. A Divino Doce surgiu há quatro anos, quando a estudante estava no cursinho e almejava independência financeira. “Sempre fui muito envolvida com confeitaria. Em casa fazia bolo e tortas em aniversários e festas de fim de ano. Quando me dei conta de que poderia trabalhar com algo que gosto tanto, investi e me vi realizada”, conta.

Os detalhes de cada docinho a motivaram a aprimorar e desenvolver melhores técnicas. Segundo a estudante, apesar do isolamento social ter afetado toda a economia do Brasil, ela acredita que também abriu portas, como o “delivery dos doces”.

“Desde julho do ano passado, as marmitinhas e as encomendas de meio cento saem com mais recorrência, tanto para o dia a dia quanto para reuniões menores em família”, revela.