O canto do sabiá-laranjeira, primeiro livro do médico bocaiuvense Bruno Emanuel Carvalho Oliveira, foi lançado em 25 de novembro em Bocaiuva. O escritor, que atualmente reside em Natal (RN), conta que foi numa madrugada, durante o período em que contraiu o novo coronavírus, quando as dores no corpo não o permitiam dormir, que levantou e viu o computador em cima da mesa. Surpreendentemente, sentiu uma vontade enorme de escrever.

“Até então, não tinha pensado acerca da possibilidade de escrever um livro. Foi algo que despontou como um chamado – Sente-se e escreva tudo o que está martelando em sua cabeça. Sentei na mesa da sala escura e fiquei na frente de uma página em branco, na tela iluminada do computador e escrevi: Avaliar escrever algumas estórias que terão como pano de fundo a pandemia”, conta. 

E são essas histórias e muito mais, que vamos descobrir em nosso bate-papo de hoje, com esse médico-escritor.

Nos conte um pouco mais sobre esse momento:

A primeira história que veio em mente foi uma que teria como protagonistas uma neta e o seu avô, em uma relação de cumplicidade e amor, mas que seria interrompida pelo vírus. Quando nossos idosos começaram a falecer, e eu mesmo internei muitos em estado grave, ficava imaginando o desolamento e a dor lancinante que muitos netos, como a Bárbara – personagem do livro –, sentiram. À medida que desenvolvia o possível primeiro capítulo, outros personagens e situações foram chegando e, quando menos percebi, me vi diante de algo concreto. A partir daí comecei a enviar alguns capítulos para amigos leitores e eles foram me dando feedbacks maravilhosos e esses foram a minha mola propulsora.
 
Como foi sua relação com a leitura durante a infância?
Eu sempre gostei de ler, apesar de não ter muitos livros em casa. Minha mãe lia as Seleções, versão brasileira da Reader’s Digest, revista mensal americana, e eu me encantava com todas aquelas estórias, com as fotos de um país distante com uma realidade completamente diferente da minha. Nas escolas, lia os livros da Coleção Vagalume e até hoje lembro dos livros “Zezinho, o dono da porquinha preta” e “O menino do dedo verde”.
 
Para você, o que está sendo possível aprender com a pandemia?
A pandemia veio e mudou muitos dos nossos paradigmas. Muitas relações foram estreitadas, muitas foram desfeitas e os pais passaram a prestar mais atenção nos filhos com a maior presença em casa. Para mim, um grande ensinamento foi o de que a nossa relação com a vida e a morte mudou. Eu vivenciei, como médico da linha de frente, muitas situações dolorosas em que filhos perderam pais, pais perderam filhos, esposa perdeu marido, marido perdeu esposa, namorados e amantes se perderam. Vivenciamos muitas situações dolorosas e muitos lutos de caixão fechado, em que o último adeus foi impedido, o último olhar, aquele beijo na testa do nosso afeto em um caixão enfeitado pelas flores. É impossível não ter mudado a nossa relação com a vida diante de tudo que passamos. Eu, com certeza, aprendi e continuo aprendendo com a pandemia e espero que todo mundo tire lições desses tempos que estamos vivendo. Ficam com a pandemia duas frases em latim: Carpe diem (Aproveite/Colha o dia) e Tempus fugit (O tempo foge).
 
O lançamento do livro em sua cidade natal marca seu coração de forma especial?
O lançamento em Bocaiuva foi maravilhoso e fiquei extremamente emocionado com a repercussão que deu em toda a cidade. De repente, estava ouvindo numa rádio local que sempre ouvi na infância e adolescência dizerem o meu nome e o dos meus pais, convidando todos na cidade para o lançamento. Foi uma noite linda em que tive a presença de muitos amigos, antigos professores que foram basilares em minha formação, recebi uma linda homenagem de uma professora e poeta – Jucilene Vieira -, que presenteou-me com um lindo poema. Meus pais e familiares ficaram extasiados de felicidade. Foi um lindo dia que ficará marcado para sempre em meu coração e na minha trajetória.
 
Como adquirir o livro?
O livro pode ser adquirido no site do Amazon (www.amazon .com.br). É só colocar no buscador: O canto do sabiá-laranjeira. Está disponível nos formatos físico e e-book kindle. Pode ser adquirido também pelo WhatsApp (84) 98144-8352.