Três estudantes universitários, de 20 e 22 anos, foram presos por tráfico de drogas em Montes Claros ontem. Com eles foram encontrados centenas de comprimidos de drogas sintéticas que seriam comercializadas na cidade.

Os jovens foram presos em flagrante por policiais da Delegacia Especializada Antidrogas da Polícia Civil. Dois são estudantes de Direito e um de Gastronomia. Foram apreendidos 400 comprimidos de ecstasy.

As investigações ainda continuam para identificar outras pessoas que possam integrar a quadrilha. 

Segundo a apuração da Polícia Civil, os universitários são de classe média alta, moram em bairros nobres da cidade e comercializariam as substâncias em festas e boates da cidade.

Ainda segundo a Polícia Civil, as drogas eram compradas em Curitiba, no Paraná, e enviadas, via Sedex, pelos Correios, até a residência dos jovens.

“Essa é mais uma resposta que a Polícia Civil apresenta a toda a sociedade. Mostramos que a corporação será forte e efetiva no combate aos crimes de tráfico de drogas. A repressão qualificada dos crimes será nosso objetivo primordial”, afirmou o delegado Alberto Tenório.

“Estamos investigando quadrilhas que estavam comercializando drogas sintéticas na região desde novembro do ano passado. Conseguimos aprofundar e chegar até duas encomendas que seriam entregues na região central de Montes Claros”, explica Alberto Tenório, responsável pela Delegacia Especializada Antidrogas.

O delegado afirma que os policiais passaram a monitorar as encomendas. “Percebemos que a venda das drogas sintéticas é pulverizada em Montes Claros. As pessoas compram para o uso pessoal e também revendem. Costumeiramente, esse tipo de substância é encontrada com estudantes universitários, em raves e boates. Estamos tentando identificar os fornecedores para sanar a vinda desses entorpecentes para a região”. 
  
COMBATE
O chefe do 11º Departamento, Jurandir Rodrigues, destacou o suporte ofertado e a importância das prisões efetivadas pela Polícia Civil na região.

“É inquestionável que o tráfico de drogas apresenta reflexos em diversas áreas, principalmente na segurança pública. Este ilícito está inserido no rol dos crimes que mais atormentam a sociedade moderna. O vício em entorpecentes é danoso e transforma seres humanos”, ressaltou Rodrigues.

Segundo ele, o 11º Departamento trabalha com eficiência para coibir este crime no Norte de Minas, ofertando recursos humanos e logísticos para que as investigações sejam pontuais. “Isso demonstra a nossa preocupação em promover a segurança”, finaliza Rodrigues.