Uma professora de 48 anos foi detida por suspeita de injúria racial na manhã de ontem em Montes Claros. O vizinho Igor Oliveira, de 36, afirmou para a polícia que teria sido chamado de preto e de “macaco” pela professora. 

A vítima registrou boletim de ocorrência e outras três testemunhas confirmaram a versão dele sobre o caso. A professora foi autuada em flagrante por injúria racial e liberada após pagar fiança de R$ 2 mil. Ela responderá em liberdade. Se condenada, pode pegar até três anos de prisão. 
 
VERSÃO 
A vítima disse à polícia que o caso aconteceu após ele ter colocado um pote de feijão no muro que divide as casas. Momentos depois, percebeu que o pote estava no chão e, ao recolocar onde havia deixado, questionou a mulher sobre o motivo de o pote ter sido colocado no chão.
 
OCORRÊNCIA 
Conforme o boletim de ocorrência, a mulher teria respondido: “não vou falar com você, preto, macaco”. O homem, então, se dirigiu até a frente da casa da vizinha, encontrando-a novamente. Ela o teria ofendido novamente e dito que sua pele era melhor do que a dele. Essas palavras foram confirmadas aos policiais militares por duas testemunhas. 

Para a polícia, a mulher negou o fato e disse que já teria um desentendimento com o vizinho. Confessou que empurrou o pote porque não gosta de objetos em cima de seu muro.