Agentes penitenciários do Presídio Alvorada, em Montes Claros, encontraram na madrugada de ontem um pombo preso na tela que cobre o pátio, onde os detentos costumam tomar banho de sol. Os agentes retiram a ave e perceberam que ela estava costurada. Dentro dela foram encontrados um aparelho celular e seis chips. 

O que chamou a atenção dos guardas é que pombos não têm hábitos noturnos. Quando se aproximaram da ave perceberam que estava morta, que devia ter sido atirada. Ao retirá-la da grade, o peso do animal chamou a atenção dos agentes, que resolveram abrir o pombo, ao perceberem que estava costurado.
 
AUDÁCIA 
Em nota, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou que a unidade penitenciária segue com a rotina normal, sem nenhum tipo de alteração. Segundo o diretor-geral do Departamento Penitenciário de Minas Gerais, da Sejusp, Rodrigo Machado, os criminosos estão cada vez mais audaciosos. 

“Nossos agentes estão mais atentos com cada detalhe nas unidades prisionais. Neste caso, o olhar cuidadoso da equipe para perceber que o pombo não é uma ave de hábito noturno e notar a presença do animal de madrugada na tela foi o que permitiu a apreensão dos ilícitos. Trabalhamos diariamente para coibir a entrada desses objetos nas nossas unidades. Temos equipes preparadas para atuar e impedir cada vez mais a presença de ilícitos no interior das celas”, afirmou.

Até a tarde de ontem, não haviam sido identificados os autores do arremesso do material da área externa para o pátio do Presídio Alvorada.