Trabalhadores da saúde do Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), da Unimontes, tiveram uma surpresa desagradável nesta manhã de quinta-feira (28). Ao chegarem ao local para receber a dose da vacina contra o coronavírus, foram avisados de que a vacinação teria sido suspensa.

A imunização, iniciada na unidade de saúde na quarta-feira, contemplaria 1,2 mil profissionais, que legalmente estão inseridos no primeiro grupo de prioridades estabelecido pelo Ministério da Saúde.

Até quarta-feira, 945 pessoas foram imunizadas, de acordo com a assessoria do HU, referência no atendimento a pacientes com Covid-19. Os demais – 255 – receberiam a dose ontem.

Pessoas que chegaram cedo ao local e lidam diretamente com os infectados reclamaram que a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela aplicação da vacina, estaria fazendo a “seleção” de quem iria ou não receber a dose, sem respeitar os critérios estipulados pelo Ministério da Saúde e a lista emitida pelo hospital.

“A decisão deles não tem nenhum parâmetro. De repente, interromperam a vacinação e, como eu, muita gente ficou sem vacinar. Na hora nos disseram que a Secretaria Municipal, por meio da servidora Aline Lara, teria dado a ordem para interromper a vacinação, atendendo a uma determinação de Belo Horizonte. Não sabemos de onde saiu essa normativa e vou procurar o Ministério Público para interceder por nós. Lidamos diretamente com materiais contaminados, pessoas infectadas. Os que estavam marcados para vacinar hoje (ontem) pertencem ao grupo prioritário”, disse o trabalhador G.T..

“A sensação de esperança foi substituída pela revolta. Estamos na linha de frente e com a certeza de que o risco está muito próximo de nós. Um minuto pode ser fatal. Gostaríamos de respeito. O hospital fez a parte dele, falta o município cumprir o protocolo”, lamenta.
 
CRONOGRAMA
A reportagem entrou em contato com a diretoria do Hospital Universitário. Por meio de nota, o hospital afirmou que priorizou uma ampla divulgação prévia para que o cronograma da vacinação fosse cumprido dentro do previsto e a campanha, em nível local, é de responsabilidade da Coordenação de Imunização, da Secretaria Municipal de Saúde.

Até agora, foram aplicadas 78,75% do total de doses disponibilizadas ao HUCF. “Os servidores ativos, em trabalho presencial neste período de pandemia, que já estavam nominalmente relacionados para receber a vacina, mas, por algum motivo não foram cobertos, serão imunizados. O atendimento foi estendido somente para estes servidores para a próxima segunda-feira, a partir das 8h, conforme alinhamento com a Secretaria Municipal de Saúde”, diz a nota do HU.

A secretária de Saúde, Dulce Pimenta, não foi encontrada para falar sobre o assunto. A coordenadora de Imunização, Aline Lara, não atendeu a ligação. No setor, uma outra servidora negou que houve interrupção na vacinação e disse que a equipe esteve no local até as 13h. 

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informou que, nesta quinta-feira, por meio da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros, realizou uma reunião com os 54 municípios que integram a SRS. 

“Durante a reunião, foi reforçado aos gestores municipais a orientação do Ministério da Saúde para que as secretarias municipais vacinem os grupos prioritários da campanha contra a Covid-19: indígenas; idosos institucionalizados e profissionais de saúde que atuam diretamente na linha de frente da pandemia do novo coronavírus. Em nenhum momento, a SRS orientou a paralisação de vacinação nos municípios ou instituições. A SES-MG esclarece ainda que os municípios possuem autonomia para gerir a assistência local”.