Os números de notificações de coronavírus em Minas não param de crescer e a indicação do isolamento para conter o avanço da doença é cada vez mais incentivado pelas autoridades de saúde. Em Montes Claros, que até terça-feira apresentava oito casos suspeitos, a população parece ter entendido o recado.

O movimento na cidade caiu drasticamente e isso pode ser percebido principalmente nos espaços de lazer e de consumo. Ontem, era difícil encontrar algum consumidor nos shoppings. Clubes também estavam vazios e bares e restaurantes contam nos dedos o número de clientes.

Até mesmo os supermercados, que até a terça-feira vivenciaram momentos de turbulência e alta demanda, com pessoas comprando estoque de comida e de material de limpeza, ontem estavam praticamente vazios.

A procura maior é pelo álcool em gel, que anda sumido das prateleiras. Os comerciantes aguardam a chegada de nova remessa, prevista para chegar até sexta-feira. “Os fornecedores estão dividindo para atender a todos os comerciantes. Nós vamos receber e limitar a duas unidades por pessoa, mantendo o preço normal, como antes da crise”, revela Leonardo Bicalho, proprietário de um supermercado no bairro Major Prates.

Taciane de Lima ficou impressionada com a falta de movimento e fila no supermercado ontem. “Diminuiu muito”, observa a consumidora, que afirma manter o álcool gel na bolsa e usá-lo a todo momento. Ela contou que precisou ir ao banco e que foi muito demorado, pois entrava apenas um cliente por vez na agência.

Para não ter que ficar saindo de casa com frequência, Tayane Fernandes Carvalho decidiu comprar grande quantidade de alimentos ontem. No carrinho da jovem, que divide a casa apenas com o marido, 7 quilos de açúcar, 15 quilos de arroz e 9 litros de óleo. Questionada se não era exagero, ela não titubeou. “Além de evitar sair de casa, já terei produto caso haja aumento no preço”.
 
BAQUE
Seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, bares, restaurantes, shoppings, academias e outros estabelecimentos vão se adequando e reduzindo horário de funcionamento, além de limitar o acesso das pessoas.

Mas os proprietários estão preocupados com o impacto financeiro que isso irá causar. Considerado a região dos bares da cidade, o bairro São Luís já não apresenta o mesmo movimento de antes. A redução já preocupa os proprietários.

“O momento é crítico. As vendas caíram muito. Estão todos reclamando. Estivemos reunidos hoje (ontem) e aguardamos que o governo traga algum decreto que possa ajudar. Estamos preocupados com os funcionários e os custos que iremos enfrentar”, diz Andrea Carpentieri, proprietário de um restaurante italiano no bairro.

Nesta quarta-feira, lojas do shopping emitiram comunicado aos clientes informando sobre redução no horário de funcionamento. Algumas academias de ginástica suspenderam as aulas temporariamente.
 
EVENTOS
A Associação Comercial e Industrial (ACI) de Montes Claros cancelou mais um evento: a posse da nova diretoria, que seria realizada no próximo dia 31. Na ocasião, seria lançada a 25ª Fenics, a maior feira de negócios do interior de Minas, o que também foi adiado. “Entendemos que esta medida deve contribuir para a prevenção à pandemia, resguardando nossos convidados e toda a população do coronavírus”, pontua Newton Figueiredo, presidente da ACI.

*Colaborou Manoel Freitas