Mais de 50 crianças doentes, 28 cidades com casos confirmados e 38 notificações sob investigação. A Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) avança em Minas, aumentando o alerta aos pais. Rara, a doença pode estar relacionada à Covid-19. Não há registros de mortes no Estado.

A doença, que já tem três casos confirmados em Montes Claros, surgiu durante a pandemia do novo coronavírus. O mal acomete, principalmente, os mais novos: metade dos pacientes tinha menos de 4 anos. Ao todo, 52 crianças e adolescentes, de 0 a 14 anos, foram contaminados. Quarenta e oito ficaram internados em unidades de saúde.

A enfermidade pode prejudicar vários órgãos, provocando febre alta e duradoura, além de pressão baixa e manchas pelo corpo. Além disso, há registros de comprometimentos do sistema cardiovascular.

Meninos são os mais afetados. A cada dez casos, seis são do sexo masculino. Além disso, 86% dos pacientes sequer tinha alguma comorbidade, o que reforça ainda mais o alerta aos pais.

Os responsáveis pelas crianças devem ficar atentos para procurar ajuda na hora certa. Se o filho apresentar sintomas durante ou após o diagnóstico da Covid-19 – o mesmo vale para aqueles que tiveram contato com algum infectado – é preciso ir até uma unidade de saúde.

Mas, não há motivo para pânico. Conforme especialistas, a procura por socorro visa a garantir a avaliação e os devidos cuidados, caso seja necessária uma internação.

Até o momento não existe um exame específico para detectar a síndrome inflamatória infantil. Os profissionais de saúde se baseiam em inflamações e lesões na pele, além da associação com o diagnóstico positivo da Covid.
 
Belo Horizonte é a cidade com mais casos confirmados. São 19 registros na capital. Na sequência está Contagem, na região metropolitana, com quatro. Montes Claros e Uberlândia, no Triângulo, têm três cada. Com uma notificação, Governador Valadares, no Leste do Estado, foi a última cidade incluída na lista.