O avanço do sarampo por todo o território nacional, com mais de 4 mil notificações neste ano, tem colocado em alerta os órgãos de saúde no país. Apenas em Minas, 30 casos já foram confirmados, sendo que 26 deles – 86% do total – ocorreram nos últimos 90 dias. Para tentar frear a doença, nova campanha de vacinação começará na próxima semana. 

A ação será dividida em duas etapas. De 7 a 25 de outubro, o foco será nas crianças de seis meses a 5 anos. A segunda fase, de 18 a 30 de novembro, será voltada para a população de 20 a 29 anos. Em ambos os casos, haverá o chamado Dia D em duas datas: 19 de outubro e 30 de novembro.

No Norte de Minas, a campanha terá um reforço. Os agentes de saúde foram orientados a fazer uma busca ativa por pessoas que não estão com o cartão de vacinação em dia – sejam crianças ou adultos.

Pelo fato de a cobertura vacinal na região não estar dentro da meta de 95% da população, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde, durante reunião de alinhamento realizada na semana passada a referência técnica de imunização da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros, Mônica Rochido, alertou os coordenadores de imunização dos municípios sobre a importância da busca ativa do público alvo da campanha.

“Os agentes comunitários de saúde são importantes aliados no trabalho de busca ativa das pessoas não vacinadas. Isso porque conhecem a realidade dos territórios onde atuam, pois entram de casa em casa”, frisou a referência técnica.

Nos 53 municípios que integram a área de atuação da SRS de Montes Claros, a cobertura vacinal de crianças com uma dose contra o sarampo está em 66,59% e, com duas doses, 58,24%. Já a cobertura vacinal da população em geral, com uma dose da vacina, está em 68,4%, percentual que cai para 54,42% considerando duas doses da vacina. 
 
PREVENÇÃO 
Coordenadora do curso de Enfermagem das Faculdades Promove, a professora Débora Gomes Pinto reforça que a ação é fundamental para evitar que a situação atual do sarampo ganhe proporções ainda maiores. 

“A única forma de prevenção, de fato, é através da imunização. Não há alternativa. Todos devem se vacinar e entender que se trata de uma doença séria, que traz consequências graves, como surdez, cegueira e alterações neurológicas, além de levar ao óbito”, ressalta a especialista.

A maioria das notificações de sarampo em Minas está relacionada à importação do vírus de pessoas que estiveram no Estado de São Paulo – onde estão mais de 90% dos casos de todo país – ou por contato direto com quatro doentes paulistas provenientes de Jundiaí, São Bernardo do Campo e Araras. 

As demais ocorrências são de Betim e Ribeirão das Neves (Grande BH), Unaí (Noroeste de Minas) e Muriaé (Zona da Mata), localidades onde não foram identificadas as origens de contato dos doentes. 

Ao todo, 1.107 notificações em 183 municípios já foram registradas no território. Dessas, 593 estão em investigação e 488 foram descartadas.

No restante do Brasil, a incidência da doença em menores de 1 ano é dez vezes maior do que na população em geral. A cada 100 mil habitantes, 64 crianças nessa faixa etária obtiveram confirmação para o sarampo. 

A segunda camada mais atingida é formada por pessoas de 1 a 4 anos. Três das quatro mortes pela enfermidade registradas neste ano, no país, foram de crianças menores de 12 meses e um indivíduo de 42 anos.
*Com Carlos Castro Jr.