Montes Claros e o Norte de Minas vão contar com um reforço importante na saúde para atenção às vítimas da Covid-19. Dentro de alguns dias entram em operação 40 novos leitos de terapia intensiva (CTI) no Hospital das Clínicas Mário Ribeiro da Silveira. Com esse incremento, a unidade de saúde passará a contar com 60 leitos de CTI, o que poderá ajudar a desafogar o atendimento na região. Além disso, já estão em andamento obras para construção do acesso ao pronto-socorro do HC, que deverá ser ativado dentro de 20 dias.

Estão sendo investidos mais de R$ 5,7 milhões nessas ampliações do hospital, que atende 90% dos pacientes pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e 10% por convênios ou privados. “Isso é fundamental para enfrentar a epidemia do coronavírus, porque as pessoas que tiverem a forma grave, com comprometimento pulmonar, vão precisar de respiradores, de um leito de medicina intensiva”, afirma o diretor do HC, Ruy Muniz.

A mobilização no Mário Ribeiro para ampliar a oferta de leitos de terapia intensiva atende ainda a uma demanda do Estado, que está mapeando as unidades de saúde para identificar onde há disponibilidade de reforço no atendimento.

Nesta quinta-feira, o governador Romeu Zema (Novo) realizou vistorias em hospitais de Betim, na Região Metropolitana de BH, e disse que irá fazer o mesmo no interior de Minas. O objetivo é fechar parcerias com instituições de saúde da rede privada e hospitais municipais para ampliar o número de leitos disponíveis no Estado.

“Provavelmente vamos precisar de muitos leitos para atender as pessoas contaminadas pelo novo coronavírus. Por isso, estamos tomando todas as medidas, na região metropolitana e no interior, para ampliarmos a estrutura disponível. Muitos hospitais têm alas vagas e leitos ociosos, que podem ser utilizados neste momento. Tudo isso está sendo levantado para que, caso venha a ser necessário, o Estado disponha de leitos suficientes para atender as pessoas que necessitarem”, afirmou Zema.

Ontem também o governador realizou uma reunião, por videoconfe-rência, com gestores de vários hospitais privados de Minas, dentre eles do Hospital das Clínicas Mário Ribeiro. Foram discutidas soluções de ampliação da capacidade de atendimento e otimização da estrutura para o tratamento do coronavírus no Estado.

No HC, o espaço para a instalação dos leitos de CTI já está pronto para receber os equipamentos. “Cada leito de CTI novo custa cerca de R$ 130 mil, valor apenas dos equipamentos”, ressalta Ruy Muniz. 

 

“O corpo clínico do HC e da Faculdade de Medicina da Funorte conta com 250 médicos de todas as especialidades. A maioria deles com cursos de residência médica, mestrado e doutorado. Mas, certamente, iremos ampliar este grupo de médicos para atender estas novas demandas. E também contrataremos profissionais das outras áreas de saúde (técnicos de enfermagem, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, nutricionistas, biomédicos)”.  Ruy Muniz, diretor do HC Mário Ribeiro

*Com Agência Minas