Um estudante de engenharia mecânica da Faculdade Finom, que fica em Patos de Minas, desenvolveu um ambuzador mecânico, uma espécie de aparelho respirador que pode ser usado em hospitais de campanha para o enfrentamento do novo coronavírus.

A Finom integra o grupo das Faculdades Funorte, onde os primeiros testes foram executados com sucesso.

O equipamento que oferece oxigênio aos pulmões foi desenvolvido pelo estudante de engenharia mecânica Guilherme Ferreira Pinto e por Hugo Daniel Nogueira, que trabalha na mesma área.

O objetivo do projeto é oferecer ao sistema de saúde aparelho respirador com preço mais baixo. De acordo com os desenvolvedores, o equipamento custa em torno de R$ 10 mil. Se fosse fabricado em larga escala, este custo seria ainda menor. 

Um respirador comercializado no mercado e que hoje é utilizado pelos pacientes de Covid-19 custa de R$ 50 mil a R$ 150 mil, dependendo do modelo.

O aparelho foi construído na Finom e os testes realizados no campus Amazonas da Funorte, que possui laboratório especial para construção de equipamentos médicos e manutenção dos mesmos. Geralmente o espaço é utilizado pelos cursos de engenharia biomédica e medicina.

“Os primeiros testes foram muito satisfatórios. Nosso protótipo possui motor bivolt e nobreak, que fornece energia de emergência, caso falte a elétrica. Esse sistema atende as recomendações do Ministério da Saúde e Anvisa”, explica Guilherme Ferreira Pinto, que também é tenente do Corpo de Bombeiros.

Além do custo mais baixo, o respirador possui um braço mecânico ágil que consegue, ao mesmo tempo, impulsionar até dois pacientes por vez.

“Nosso objetivo é suprir, de forma emergencial, barata e confiável o sistema de saúde com respiradores que possam aumentar a frequência dos pulmões, de acordo com a necessidade do paciente”, pontua o estudante.

O engenheiro e coordenador do laboratório de testes da Funorte Amazonas, Aristóteles Ramon, destaca que no local os aparelhos hospitalares são consertados, fabricados e testados antes de irem para o hospital.

“Neste laboratório, trabalhamos com manutenção de equipamentos médicos, criação e desenvolvimento de dispositivos para auxiliar os médicos durante os procedimentos. É um laboratório com tecnologia de ponta. Muitos hospitais da cidade utilizam o espaço para fazer testes de equipamentos”, diz o coordenador.