Quase 50 mil doses de vacinas contra a Covid-19 foram jogadas fora em Minas Gerais desde o início da campanha de imunização, em janeiro deste ano. Isso representa 0,14% do total de unidades recebidas pelo Estado, mas simboliza um prejuízo considerável, levando-se em conta a importância da proteção, como afirmam especialistas. 

Todos os 49.815 imunizantes, que estavam em 60 municípios mineiros, foram inutilizados após avaliação do Ministério da Saúde. Considerando que é preciso duas doses para uma proteção maior contra o coronavírus, é possível afirmar que o quantitativo daria para imunizar toda a população de São José da Lapa, na Grande BH, por exemplo. Cidade tem pouco mais de 24 mil habitantes, aponta o IBGE.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), a perda das vacinas se deu por quedas de energia e falhas em equipamentos por irregularidade de temperatura e também no armazenamento das mesmas. O vandalismo também ganha destaque.

Na semana passada, Passos, no Sul do Estado, perdeu todas as doses disponíveis após o posto de saúde do município ter o padrão de energia furtado. O local ficou três dias fechado para reparos. 

“É importante esclarecer que, assim que o município identifica alguma alteração no imunizante, preenche um formulário on-line e notifica a SES-MG e o Ministério da Saúde, sendo o governo federal responsável pela avaliação conclusiva da destinação da vacina. As doses são repostas para que não ocorra prejuízo para a população”, disse a pasta.

IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO
Em Minas, mais de 16 milhões de pessoas tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Deste grupo, 12,2 milhões completaram o esquema vacinal ou receberam a dose única, da Janssen.

Até a manhã de ontem, o Estado recebeu 35,7 milhões de doses, das quais 33,7 milhões foram distribuídas aos municípios.

Diante desse avanço, Minas já colhe frutos. Os leitos de terapia intensiva, que chegaram a ficar esgotados em momentos de pico da doença, atualmente estão com a ocupação em 16%.

O cenário reforça a importância da vacinação e conclusão do esquema vacinal, reforça o infectologista e membro do Comitê de Enfrentamento à Covid em BH, Unaí Tupinambás.

“As pessoas já estão cansadas. Já está tudo flexibilizado, então mais do que nunca é importante terem o esquema vacinal completo”, disse, considerando, ainda, a necessidade de atingir de 80% a 90% da população com duas doses, a chamada imunidade de rebanho.

O avanço da vacinação reflete positivamente nos números da pandemia da Covid-19 em Minas Gerais. A doença, que matou mais de 55 mil pessoas, dá trégua a grande parte das cidades há 14 dias. Em duas semanas, 721 municípios, dos 853 localizados no território mineiro, não registraram uma morte sequer pela doença. Isso representa mais de 84% de todo o Estado. Quando levamos em conta os últimos 30 dias, o dado chega a 600 localidades. Há um mês, por exemplo, eram 500.