Uma das portas de entrada para pacientes com Covid-19 em Montes Claros, o Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro da Silveira recebe hoje a doação de 629 itens que vão ajudar no combate à doença. Os equipamentos serão entregues pelo Rotary.

São filtros autoumidificadores, barreiras para circuitos respiratórios, CGH - Air Traqueo-sistema fechado de aspiração endotraquial 12, 14 e 16FR e filtro para ventilação mecânica, trocador de calor e umidade.

“Nessa guerra que estamos vivendo, toda parceria é fundamental. Os equipamentos doados pelo Rotary sem dúvida ajudarão o hospital nessa luta em favor da vida. Por isso, agradecemos em nome de toda a equipe do HC e de toda a população”, diz Raquel Muniz, diretora do Mário Ribeiro.

A unidade hospitalar foi uma das indicadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG) devido à capacidade de atendimento e referência no tratamento da doença. 

A ação é fruto de um projeto de subsídio global elaborado por Nélson Fonseca Leite durante a gestão dele como governador do Distrito 4760 do Rotary Internacional.

Para Nélson, a cidade, por ser um polo educacional e de saúde, é a mais importante do Norte de Minas e não poderia ficar ausente. 
 
PROJETO
“O projeto tem o recurso de R$ 470 mil e a distribuição é proporcional ao número de leitos. A iniciativa surgiu quando tivemos que cancelar uma Conferência Distrital que aconteceria em Patos de Minas por causa da pandemia. Decidimos, com a aprovação dos rotarianos, usar os recursos para comprar estes equipamentos e fizemos este projeto que vai atender 29 hospitais em 18 cidades diferentes”, conta Nélson Fonseca.

Segundo ele, o trabalho do Rotary tem o objetivo de diminuir a contaminação atuando em duas frentes: fornecendo equipamentos para evitar a contaminação e combatendo informações falsas e negacionismo.

“Trabalhamos na conscientização das pessoas na linha do que a ciência preconiza. No caso específico, os profissionais de saúde já foram vacinados, mas nós temos que fornecer equipamentos que são os filtros colocados nos respiradores artificiais para que as pessoas contaminadas não contaminem o meio ambiente e as outras pessoas”, explica.
 
INFORMAÇÕES
O rotariano entende que a campanha não termina com a doação dos equipamentos. O Rotary tende a abraçar a causa assim como fez com a poliomielite, que 30 anos depois está praticamente em extinção no mundo. 

Para isso, salienta que a instituição trabalha no sentido de passar informações corretas e sensibilizar quanto aos cuidados que precisam ser mantidos, apesar do avanço da vacinação.

“Tem toda uma ação que a gente chama de ‘informação salva vidas’. Quando vacinadas, as pessoas às vezes acham que já pegaram e não vão ter novamente, mas continuam transmitindo o vírus. É uma questão de amor ao próximo e uma postura ética manter os cuidados e evitar contaminar outros”, ressalta.

A grande questão, segundo Nélson Fonseca, é que a pessoa imunizada não vai ter uma doença grave, mas o outro pode ter. “A ideia é a de que essa campanha seja estendida, assim como a da poliomielite, em nível mundial. O Rotary obteve vitórias nesse sentido”, lembra.

Em Montes Claros, os hospitais Dílson Godinho, Aroldo Tourinho, Santa Casa e Universitário Clemente Faria também receberão itens doados pelo Rotary.