A partir da próxima segunda-feira (12), paralelamente à vacinação contra a Covid-19, o Brasil dá início à 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe Influenza. Serão duas ações de imunização ocorrendo ao mesmo tempo, o que exigirá uma programação eficiente dos municípios para garantir a aplicação das doses sem aglomeração nos postos de saúde.

Em Minas Gerais, a estimativa é a de que 8,4 milhões de pessoas devam ser vacinadas contra a gripe até 9 de julho. A meta é imunizar pelo menos 90% do público-alvo, que soma 79,7 milhões de pessoas em todo o país.

Mas, e quem está no grupo prioritário para imunização contra a Covid-19, como deve proceder? É preciso tomar as duas vacinas? A resposta é sim, é preciso que as duas vacinas sejam tomadas por quem integra os grupos prioritários em comum, no caso, os idosos, principalmente, e profissionais de saúde.

Considerando a ausência de estudos sobre a coadministração das vacinas, o Ministério da Saúde não recomenda a aplicação das duas doses simultaneamente. A orientação, neste momento, é priorizar a imunização contra a Covid-19. 

As pessoas que fazem parte do grupo prioritário para a vacinação contra Influenza e que ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 deverão priorizar a dose contra o novo coronavírus e agendar a vacina contra a Influenza, respeitando um intervalo mínimo de 14 dias entre elas.

Geralmente, a vacinação contra a gripe começa com os idosos. Mas, neste ano, em função da imunização contra o coronavírus, eles foram colocados em uma segunda etapa, justamente para não haver sobreposição de calendários.

A expectativa do Ministério da Saúde é a de que, em maio, quando os maiores de 60 anos deverão receber a dose contra o Influenza, a maioria deles já esteja protegida com as duas aplicações contra a Covid.

PÚBLICO
No período de 12 de abril a 10 de maio, a primeira etapa da campanha contemplará a vacinação de crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias); gestantes; puérperas; indígenas e trabalhadores da saúde. 

A segunda etapa da vacinação será implementada entre os dias 11 de maio e 8 de junho, tendo como público-alvo idosos com idade a partir de 60 anos e professores das redes pública e privada de ensino.

Já a terceira etapa está prevista para o período de 9 de junho a 9 de julho, envolvendo pessoas portadoras de comorbidades; deficientes físicos permanentes; caminhoneiros; trabalhadores do transporte coletivo; trabalhadores do sistema portuário; forças de segurança e salvamento; militares das forças armadas; funcionários do sistema de privação de liberdade; a população privada de liberdade; adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas.
 
IMPORTÂNCIA
A coordenadora de Vigilância em Saúde da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes, chama a atenção para a importância da vacinação dos grupos prioritários contra a gripe. 

“A imunização vai prevenir o surgimento de complicações decorrentes da doença, óbitos, internações e a sobrecarga nos serviços de saúde, além de reduzir os sintomas que podem ser confundidos com os da Covid-19”, ressalta. Além disso, vale lembrar que o sistema de saúde já está saturado com os casos de Covid-19 e não teria condições de receber pacientes infectados pelo H1N1.
 
LOGÍSTICA
Com base em informe técnico elaborado pelo Ministério da Saúde, a Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros já está trabalhando na organização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Nos próximos dias será realizada uma video-conferência entre a Coordenadoria de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, os coordenadores de vigilância epidemiológica e de saúde e as referências técnicas de imunização atuantes nas 28 unidades regionais de saúde do Estado, visando o alinhamento de informações e definição de estratégias de trabalho que serão implementadas junto com os municípios. 

Para todo o país, o Ministério da Saúde tem previsão de distribuir 80 milhões de doses de vacina Influenza trivalente, produzida pelo Instituto Butantan. Durante todo o período de vacinação, os estados deverão adotar medidas de prevenção à transmissão da Covid-19.