Começa nesta sexta-feira (1) a Campanha Nacional de Multivacinação em todo o país. Até 29 de outubro, pais poderão levar os filhos – crianças e adolescentes, menores de 15 anos – até um posto de saúde para atualizar o cartão de vacinas.

Neste sábado (2) será realizado o “Dia D” de divulgação e mobilização nacional. Serão oferecidos 18 tipos de vacinas que protegem crianças e adolescentes de doenças como poliomielite, sarampo, catapora e caxumba.

Autoridades da área de saúde estão preocupadas com a queda nos índices de vacinação que vêm sendo observados desde 2015 no Brasil. Isso seria explicado, em parte, pela disseminação de notícias falsas (fake news) e pela atuação de grupos antivacinas.

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, a campanha deste ano é “mais relevante” porque o governo vem identificando, desde 2015, uma “tendência de queda nos índices de vacinação”.

Segundo ele, essa queda tem, entre suas causas, o “desconhecimento sobre a importância da vacina, as fake news, os grupos antivacinas e o medo de eventos adversos”. Aponta também como causa os horários de funcionamento das unidades de saúde que, às vezes, são incompatíveis com as novas rotinas da população.

A coordenadora de Vigilância em Saúde da SRS de Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes, ressalta que a atualização da caderneta de vacinação de crianças e adolescentes é um desafio para a saúde pública.

“Doenças como a meningite, sarampo e caxumba afetam a saúde de pessoas nessas faixas etárias e, por isso, se constituem importantes transmissores dessas doenças”.

Nesse contexto, a Coordenadoria de Vigilância em Saúde entende que os serviços de atenção primária dos municípios têm importante trabalho a desempenhar no sentido de mobilizar e conscientizar a população sobre a importância da vacinação contra doenças que podem ser evitadas e para as quais o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza vacinas durante todo o ano.

Para aumentar a cobertura vacinal da população, os serviços municipais de saúde também devem investir na busca ativa da população ainda não vacinada ou que precisa atualizar a caderneta.

PREVENÇÃO À COVID-19
Para evitar aglomerações de pessoas nas unidades de saúde e, com isso, potencializar a disseminação do novo coronavírus, a Superintendência Regional de Saúde recomenda aos municípios que a campanha seja realizada em áreas bem ventiladas e desinfetadas com frequência.

Deve-se garantir a disponibilidade de local para lavagem adequada das mãos tanto por parte dos usuários do sistema de saúde quanto para os trabalhadores das unidades. 

Outra recomendação é que o número de acompanhantes de crianças e adolescentes deve ser limitado a uma pessoa, além da realização de triagem daquelas que apresentarem sintomas respiratórios antes da entrada no local de vacinação para evitar a propagação da Covid.

Vacinas oferecidas
BCG; Hepatite B; Penta; Poliomielite inativada e Poliomielite oral; Rotavírus; Pneumocócica 10; Meningocócica C; Febre Amarela; Tríplice Viral (sarampo, caxumba e rubéola); Tetra Viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela); DTP (difteria, tétano e coqueluche); Hepatite A; Varicela; Meningocócica ACWY; Papilomavírus Humano – (HPV quadrivalente, contra câncer de colo do útero, da vulva, da vagina, do ânus, pênis, orofaringe e das verrugas genitais)