Saraiva Felipe: crise não pode interferir no governo

Jornal O Norte
25/07/2005 às 15:51.
Atualizado em 15/11/2021 às 08:48

O ministro da Saúde Saraiva Felipe afirmou ontem, durante cerimônia ao lado do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que a crise política não deve interferir na administração pública. Por sua vez, o presidente disse que o povo não pode ser vítima da pequenez do debate político.

Para Saraiva Felipe o momento é perigoso, sendo necessário que os assuntos sejam tratados com sabedoria e discernimento, cada um dentro de suas órbitas, no sentido de que o país possa resolver os impasses atuais sem a ameaça de um retrocesso.

- Uma coisa são as instituições democráticas funcionando, CPIs (Comissões parlamentares de inquérito) CGU (Controladoria geral da União), MP (ministério público) funcionando. E outra coisa é a necessidade do país prosseguir com as suas políticas de governo, com as atividades normais na administração. Se uma coisa contaminar a outra, o povo sofrerá duplamente - disse Saraiva.

GOVERNABILIDADE

O ministro enfatizou o papel da reforma ministerial como tentativa da gestão Lula de aumentar sua governabilidade.

- A eficácia política e a busca de um governo com participação maior de força política, no meu entendimento, ajuda a superar a crise - afirmou.

Segundo o ministro, a economia e as instituições produtivas públicas e privadas do país mostraram solidez, mesmo diante da crise que atrapalha a imagem do país.

- Acho que é fantástico pensarmos que, apesar dessa crise política, os macroindicadores econômicos e os microindicadores têm apresentado bons resultados - disse ele.

Para Saraiva Felipe, o país apresentou um comportamento similar aos de países mais desenvolvidos, em que as crises políticas não afetam a administração pública.

Compartilhar
Logotipo O NorteLogotipo O Norte
E-MAIL:jornalismo@onorte.net
ENDEREÇO:Rua Justino CâmaraCentro - Montes Claros - MGCEP: 39400-010
O Norte© Copyright 2023Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por