Moradores das comunidades rurais de Montes Claros continuam reclamando a ausência de profissionais da saúde nessas localidades. O assunto tem pautado o discurso dos vereadores de Montes Claros, que acusam o município de não remunerar adequadamente os profissionais. Desse modo, eles não se sentem estimulados a optar pelo atendimento rural. 

A notícia de que o município vai criar no Mercado Municipal um ponto de apoio para atender cidadãos vindos dessas regiões causou indignação aos parlamentares. 

O presidente da Câmara, vereador Marcos Nen (PSD), entrou com requerimento pedindo ao Executivo uma compensação nos salários dos médicos que atendem pelo Programa Saúde da Família nas comunidades rurais. O documento pede também a criação e uma policlínica na área urbana da cidade especificamente para atender o homem do campo, em um segundo momento.

“É muito fácil para a secretária de Saúde colocar um ponto de apoio no mercado para atender as comunidades rurais, mas isso é um retrocesso. Toda vez que falta médico, a zona rural é a mais prejudicada. São apenas 10 equipes para atender mais de 200 comunidades. O que nós pedimos é que o prefeito mande a esta Casa um projeto para autorizar o aumento dos salários. Eles é que têm que se deslocar, e não o contrário. O programa é para isso”, salientou o vereador.

Marcos Nem ressaltou que, muitas vezes, os pacientes deixam de ir à cidade porque quando chegam as unidades de saúde estão lotadas e o atendimento não acontece em tempo hábil. 
 
POLICLÍNICA 
“A ideia é que a policlínica atenda essas pessoas, que já chegariam com horário agendado com especialistas e encaminhadas pelos clínicos”, disse.

O vereador Valdivino Antunes (PMDB), que também é medico efetivo do município, é outro crítico da alternativa anunciada pela secretaria.

“Eles têm muita despesa para vir a Montes Claros. O ideal é estimular os médicos para atender na zona rural”, pontuou.

PRODUTIVIDADE
“A saúde esta cada vez pior em Montes Claros. Falta médico, falta dentistas, falta remédio. Alternativa já existe. É a produtividade, uma medida legal, que o município pode pagar. O que está faltando é uma secretária com capacidade para fazer a coisa funcionar”, declarou o vereador Valcir Soares (PTB).

A Secretaria de Saúde informou que estão abertos editais para preencher o quadro de equipes do Saúde da Família. Atualmente, são sete regiões descobertas. 

Quanto ao ponto de apoio, inicialmente, existe a proposta de criação do local para a situação de vacinação. Funcionários não souberam dizer se há a proposta de uma unidade permanente no local. 

A secretária de Saúde não foi encontrada para falar sobre a viabilidade da alternativa sugerida pelo vereador Marcos Nem. 

O prefeito Humberto Souto tem prazo de 15 dias para responder ao requerimento do vereador.