Tumulto provocado por grupos contrários à indicação de Ciro Gomes para receber o título de Cidadão Honorário de Montes Claros, iniciativa do vereador Raimundo do INSS (PDT), fez o presidente da Casa encerrar a reunião. Na pauta de votações estavam ainda quatro outros projetos e requerimentos a serem lidos e apreciados. 

“Houve prejuízo. O regimento não permite vaias nem aplausos. A população é convidada a participar das reuniões, para a gente, é uma honra receber todos, mas no Plenário da Câmara tem que haver respeito. No momento em que as pessoas se exaltaram, a solução que encontramos foi encerrar. Os projetos voltam à pauta na próxima reunião”, explicou o presidente Marcos Nem. 
 
GRUPOS 
Alguns manifestantes, que se apresentaram como integrantes do MBL, comemoraram com gritos e pulos. De acordo com um dos presentes, o advogado Teddy Faria, contrário à indicação de Ciro Gomes, havia no Plenário pelo menos quatro grupos distintos e cada um com seu interesse. 

“Nosso grupo tem cinco pessoas. Representamos o Partido Novo e somos contra qualquer homenagem que seja, inclusive as anteriores. Elas não tiveram tanta divulgação, por isso, não participamos. As homenagens têm que parar. É dinheiro do pagador de impostos de Montes Claros e a gente não coaduna com a ideia de que o dinheiro seja usado para homenagens”, disse.