A filiação do senador Antonio Anastasia coloca o PSD como primeira força em Minas Gerais e também garantirá maior fôlego à legenda nas eleições para a presidência do Senado no ano que vem, já com 10 das 81 cadeiras e possibilidade de incorporar outros três parlamentares da casa legislativa ainda neste primeiro semestre. Agora colega de partido do ex- governador de Minas Gerais, entre 2010 e 2014, o senador Carlos Viana (PSD-MG) brinda a chegada do colega, após um longo período de conversas.

“A vinda dele muda o cenário político em Minas, porque é uma grande liderança, que tem muita representatividade no Sul do Estado. O PSD já é forte em regiões como a Central e o Norte”, disse Carlos Viana, que também é vice-presidente do diretório nacional da legenda. 

“O Anastasia é um dos nomes mais respeitados do Senado e da política, em geral”, enfatizou Carlos Viana, opinião compartilhada pela presidente do PSD Mulher em Minas Gerais, a ex-deputada federal Raquel Muniz, que lembra as parcerias já realizadas com o senador em projetos como a consolidação do Fundeb e a revitalização do rio São Francisco.

“Além de uma pessoa muito bondosa, é um político e jurista muito respeitado por seus pares de diversos segmentos, figura de peso nacional e sempre consultado pelos colegas. Essa vinda dele para o PSD vai ajudar a aumentar a nossa projeção no Estado para as eleições municipais e a consolidar nossas futuras escolhas”, destacou Raquel Muniz, que acredita que caberá a Anastasia definir seus passos dentro do PSD. “Ele é muito mineiro, recebeu inúmeros convites e aguardou o momento certo para tomar uma decisão. Ele ensina a ter tranquilidade para fazer as coisas”. 

Para o senador Carlos Viana, a migração de Anastasia do PSDB para o PSD pode abrir as portas para a chegada de prefeitos e deputados tucanos. 

Em junho do ano passado, quando o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, se filiou ao PSD, chegou a declarar: “Se precisar, eu pego o senador Anastasia ‘a laço’ e trago para o partido. Se precisar, eu ajoelho no pé dele”.
“Kalil e Anastasia são amigos de longa data, desde os tempos de contato via Atlético-MG, e o prefeito é um grande estrategista, ele sabe que o Anastasia completa uma parte política que o partido precisa”, observou Carlos Viana, que não vê atritos na escolha para a candidatura ao governo do Estado em 2022. 
 
OUTROS NOMES
O PSD sonda mais três senadores para se juntarem ao partido, entre eles, Kátia Abreu (PDT-TO), com quem as conversas já estão bem adiantadas. Além de ser uma das criadoras da legenda, em 2011, a ex-ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem um filho no PSD, o também senador Irajá (PSD-TO). A assessoria da senadora não respondeu, ao ser consultada sobre a possível mudança.

“Anastasia é um político e jurista muito respeitado por seus pares de diversos segmentos, figura de peso nacional e sempre consultado pelos colegas. Essa vinda dele para o PSD vai ajudar a aumentar a nossa projeção no Estado para as eleições municipais e a consolidar nossas futuras escolhas”
 
Raquel Muniz
Presidente do PSD Mulher em Minas Gerais