Dois anos depois da morte do padre Henrique Munaiz, Montes Claros ainda repercute os benefícios da passagem do jesuíta pela cidade que ele escolheu como porto para suas ações sociais. 

Nesta semana, a Casa da Juventude São Luiz Gonzaga, escola social fundada e mantida por ele no bairro Cintra, ganhou a cobertura da quadra poliesportiva, um sonho que se tornou realidade por meio de emenda da então deputada Raquel Muniz, no valor de R$ 167 mil, viabilizada pela Codevasf.

Amiga pessoal do pároco, Raquel afirmou que a medida é importante para não deixar morrer o projeto que ele criou há 49 anos, mas ressaltou que ainda há muito a fazer e que a parceria com os administradores da casa continua.

“É um momento de muita emoção. Mistura de alegria e saudade. Atendi ao último pedido que o padre Henrique fez a mim e ao Ruy (Muniz). Ele era o nosso conselheiro espiritual e sempre presente nas horas mais difíceis. Não poderia deixar de atendê-lo. A presença dele está eternizada aqui, nos olhos de cada um, e, certamente, ele está muito feliz”, disse Raquel, que destacou a importância do acolhimento da Codevasf. “Isso foi possível graças à Codevasf, por meio de Felicidade Tupinambá, a quem pedimos que viabilizasse de maneira célere, como é praxe nos trabalhos do órgão”.

Para Felicidade Tupinambá que cuidou dos trâmites dentro do órgão, até então essa modalidade de atendimento não havia acontecido, mas o resultado foi surpreendente. 

“Há muito tempo eu sei que a deputada tem uma relação fraterna com o padre e um dos últimos pedidos que ele fez a ela foi esse. Não é uma obra comum, para a Codevasf, era difícil, mas, pela boa vontade que ela teve, pelo pedido dele, nos esforçamos, fizemos licitação do material e acompanhamos a montagem, que contou com a participação da comunidade. Quando uma obra é desejada mesmo, parece que tudo caminha para o bom desempenho”, destacou Felicidade

Cláudio Oliveira, diretor Administrativo da Casa da Juventude, explicou que, além da escola regular, que atende cerca de 60 crianças de 4 e 5 anos, que utilizam a quadra para atividades de lazer, a Casa mantém o projeto da Escolinha de Futebol, que acolhe crianças e jovens de 8 a 16 anos na prática do esporte.

“Com a cobertura, podemos prosseguir nas atividades, protegidos do sol forte ou das chuvas. Era uma preocupação do padre e, graças às parcerias, tudo deu certo. Vamos continuar cedendo espaço para as atividades de ginástica dos moradores e podemos ter alguma renda destinada ao projeto, com o aluguel do espaço para eventos. Estamos muito felizes e agradecidos a todos que colaboraram”, externou.