A Câmara Municipal de Montes Claros passa a viver um momento histórico e inédito, com quatro mulheres ocupando cadeiras de vereadoras simultaneamente na Casa, a partir da posse, ontem, de Marly Alves (PDT).

A vaga foi aberta no fim de dezembro com a saída do vereador Oliveira Lêga (Cidadania). A cadeira foi ocupada pelo primeiro suplente Júnior Martins, que já atuava como vereador, ocupando uma vaga “emprestada”, com a saída do titular Cláudio Rodrigues para compor o secretariado municipal. Com a transferência de Junior, Marly, segunda suplente da Coligação Cidadania, Progressista e PDT, assume.

A primeira mulher a se eleger vereadora em Montes Claros foi a professora Maria Aparecida Bispo, em 1982, como suplente do então vereador Luiz Tadeu Leite, que viria a ser prefeito de Montes Claros. Em 1983, ela se candidatou e foi eleita para o mandato que vigorou até 1988.

Em 1989 foi a vez da professora Marlene Tavares Cardoso, eleita pelo PTB, ocupar uma vaga na Casa com mandato até o ano de 1992. Ficou conhecida como “a vereadora da Educação”, e, de 1993 a 1996, foi secretária Municipal de Educação.

De 1998 a 2000, a também professora Kátia Maria dos Santos Oliveira assumiu como suplente do vereador Paulo Lopes (PPB), que deixava a Câmara para assumir a Secretaria de Esportes.

Em janeiro e fevereiro de 2000, a dentista Maria Socorro de Carvalho Silveira teve passagem pela Câmara, como suplente dos titulares do PFL, os vereadores Tarcísio Iran Rego e Ivan José Lopes.

Entre 2001 e 2004, a Câmara Municipal teve pela primeira vez duas mulheres no Legislativo: Maria Helena Lopes e a professora Fátima Pereira Macedo, ambas do PTB. Esta última conseguiu se reeleger para o segundo mandato, de 2005 a 2008, e Maria Helena só agora voltou a ter um mandato na Casa, depois de algumas tentativas, no PPL.

Em 2009, foi eleita pelo PSDB a biomédica Rita Cristina de Souza Vieira, ficando até o ano de 2012. Na Legislatura de 2013 a 2016, a Câmara novamente voltava a ter duas mulheres, com a eleição de Marly Alves (PDT) e a saída do vereador Alfredo Ramos (PT), que deu espaço para a primeira suplente Maria das Graças Corrêa.

Em 2017, a bancada feminina cresceu, passando a ter três mulheres. Foram eleitas Néia do Criança Feliz (DC), Graça da Casa do Motor (PHS) e Maria Helena Lopes (PPL). Com a chegada de Marly, o Legislativo terá em 2020 o maior número de mulheres ocupando uma vaga desde que a professora Aparecida Bispo iniciou a cruzada.

A Câmara Municipal está em recesso parlamentar e retorna às atividades no próximo dia 20.